Dez imigrantes resgatados por Aquarius II chegaram esta semana a Portugal

Chegaram esta semana a Portugal 10 migrantes que, no final de setembro, foram resgatados pelo navio humanitário Aquarius II, que atracou em Malta. Juntam-se aos 76 que, ao longo deste ano, têm sido acolhidos em Portugal na sequência de resgates de navios humanitários.

Dez migrantes resgatados pelo navio humanitário Aquarius II chegaram esta semana a Portugal, juntando-se aos 76 que ao longo do ano têm sido acolhidos no país na sequência de resgates de barcos humanitários, avançou nesta sexta-feira, 9 de novembro, o Executivo liderado por António Costa.

“Estes cidadãos (seis adultos e quatro crianças, provenientes do Paquistão – 2, Líbia – 7 e Argélia – 1) foram entrevistados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras no início de outubro e foram agora acolhidos em território nacional pela Cruz Vermelha Portuguesa, em Chaves e Caldas da Rainha, e pela Associação Peaceful Parallel, em Coimbra”,  explica a nota conjunta do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Marques.

Segundo o comunicado, os dez imigrantes que chegaram esta semana a Portugal foram resgatados, em setembro, pelo navio humanitário Aquarius II, que depois atracou em Malta.

“A resposta preparada para este acolhimento implica o trabalho coordenado de serviços das áreas governativas da Administração Interna e da Presidência do Conselho de Ministros, em particular, do Serviço de Estrangeiros e Fonteiras e do Alto Comissariado para as Migrações”, frisa o Executivo, acrescentando que a chegada de mais este grupo de migrantes resulta do “compromisso de solidariedade e de cooperação europeia assumido por Portugal em matéria de migrações”.

Os governantes realçam aqui que perante a situação de emergência dos migrantes resgatados pelo Aquarius, o Governo português manifestou de imediato a disponibilidade para participar solidariamente no processo de acolhimento.

Eduardo Cabrita e Maria Manuela Marques recordam ainda que “Portugal continua a defender uma solução europeia integrada para responder ao desafio dos fluxos de migrantes que procuram chegar à Europa através do Mediterrâneo”. Mas, explicam, por razões humanitárias e face à situação de emergência em que se encontram estas pessoas, o país tem manifestado disponibilidade para, solidariamente, acolher parte destes grupos de migrantes.

Estes cidadãos que esta semana chegaram juntam-se aos 76 que, ao longo deste ano, têm sido acolhidos em Portugal na sequência de resgates de navios humanitários. Em outubro, chegaram 27 pessoas que foram acolhidas pela Câmara Municipal de Lisboa e pela ADFP – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional, em Penela. Em setembro, o município do Fundão recebeu 19 pessoas. Em julho, 30 migrantes que tinham sido resgatados pelo navio Lifeline foram acolhidas pelo Conselho Português para os Refugiados, na Bobadela.

Ler mais
Relacionadas

Aquarius

Um setor não representativo da sociedade civil não pode arrogar-se no direito de definir e impor a todo um país a política de admissão de refugiados e migrantes.

Portugal recebeu mais 27 migrantes do navio Aquarius

Trata-se de seis mulheres e 21 homens de origem somali, sendo que 18 foram acolhidos pela Câmara Municipal de Lisboa e nove pela Fundação Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional.
Recomendadas

WhatsApp diz à justiça brasileira que não foi contratada por campanha de Bolsonaro

Na segunda-feira, o Facebook e o Twitter também informaram ao TSE que as páginas oficiais do presidente eleito não contrataram para mensagens durante a campanha eleitoral.

Estados Unidos condenam repressão sobre rohingyas e condenação de jornalistas em Myanmar

Mike Pence e a líder do governo do Myanmar, Aung San Suu Kyi, estiveram reunidos em Singapura à margem da cimeira anual Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), o que aconteceu, segundo o norte-americanio, a pedido de Aung San Suu Kyi.

Itália mantém orçamento e ‘braço de ferro’ com Bruxelas

“Estamos convencidos de que este orçamento é o que o país precisa recomeçar”, disse Luigi Di Maio, vice-primeiro-ministro. O país enfrenta um procedimento por défice excessivo, que lhe pode custar 3,4 mil milhões de euros.
Comentários