Dificuldade em recrutar compromete crescimento dos contact centers

Com um peso relevante nas exportações portuguesas de serviços, a atividade enfrenta atualmente uma guerra pelo talento, diz Jorge Pires, da Associação Portuguesa de Contact Centers.

A guerra pelo talento está a aumentar em Portugal ao ponto de poder comprometer o ritmo de desenvolvimento futuro de uma atividade, que neste momento assume já um peso significativo nas exportações de serviços. Quem o diz é o assessor da Direção da Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), Jorge Pires, fazendo eco das preocupações de todo o setor. “A dificuldade de recrutamento é, neste momento, o principal obstáculo à manutenção da trajetória de crescimento dos contact centers em Portugal”.

Ao Jornal Económico, Jorge Pires explica que a dificuldade em captar e reter talento “é uma tendência que se vem sentindo com acuidade de há dois, três anos para cá e que continua a agravar-se”. Pelas melhores razões. Duas, essencialmente, conforme explica: “A diminuição do desemprego, por um lado, e, pelo outro, a procura cada vez maior por este tipo de serviço.”

O efeito conjugado destes dois movimentos tem como resultado  uma melhoria dos níveis de remuneração salarial. “Num cenário de quase pleno emprego, a tendência é para que os salários subam, respondendo à pressão da procura”, vinca Jorge Pires, adiantando que há, neste momento, já, empresas a pagar  acima dos 800 euros, média praticada no setor.

Uma fatia significativa de contact centers asseguram em Portugal o atendimento de conglomerados internacionais, através do nearshoring, termo que designa a terceirização de uma atividade com salário mais baixo do que o do próprio país. Os contact centers predominam nas áreas da grande Lisboa, do grande Porto e no Fundão, mas têm já uma presença muito significativa em muitas cidades do norte do país, assegurando o atendimento em dezenas de línguas estrangeiras.

Jorge Pires diz que a convição de que a mecanização e a robotização vêm substituir as pessoas sobretudo nos novos setores da economia não se aplica às funções mais complexas. Prova disso é que, apesar do processo de transformação digital em marcha, os contact centers estarem a crescer continuadamente durante a última década, apresentando nos últimos anos um crescimento de dois dígitos.

Num jantar-debate promovido, esta semana, pela Associação Portuguesa de Contact Centers, subordinado ao tema “Retenção de Talentos e Dificuldade de Recrutamento”, Margarida Sousa Uva, senior manager de Human Capital da Deloitte, foi categórica na identificação da problemática: “Estamos a viver uma guerra pelo talento” nos mais diversos setores de atividade. De seguida, apresentou a receita para levar de vencida esta guerra: É fundamental que as organizações se tornem irresistíveis, nomeadamente através da implementação nas empresas de cinco fatores de atratividade: desde logo, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional; as oportunidades de progressão na carreira; o package salarial; a flexibilidade laboral; e a perceção do significado do trabalho.

A Associação Portuguesa de Contact Centers é uma associação empresarial constituída por 75 empresas, que representam 12 setores da economia, com a missão de desenvolver sustentadamente o mercado de Contact Centers em Portugal.

Ler mais
Recomendadas

Ingleses à espera do Brexit para continuarem a investir em Portugal

O interesse no imobiliário português por cidadãos ingleses não esmoreceu, apenas esperam a saída oficial do Reino Unido da União Europeia para regressarem ao mercado. Verifica-se incluive, o aumento da procura por parte de jovens profissionais britânicos.

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.

Preços de venda e real valor das casas estão desajustados

A aquisição de casa própria é, normalmente, o maior investimento efetuado por uma família e geralmente o preço que pagam não é adequado ao valor real do imóvel. Uma correta avaliação do imóvel a adquirir é fundamental para decidir a compra de casa.
Comentários