Diplomatas são os funcionários mais bem pagos do Estado, acima do Presidente da República

Os dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) indicam que os diplomatas são os funcionários do Estado que mais ganham.

Os diplomatas ganham em média mais 39% do que o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e mais 48% do que o primeiro-ministro, António Costa. Os dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) indicam que os diplomatas são os funcionários públicos que mais ganham, avança o jornal “Correio da Manhã”.

Por mês, um diplomata leva em média 10.143 euros brutos para casa. Os dados da DGAEP mostram que os diplomatas foram os que obtiveram o maior crescimento remuneratório entre os funcionários do Estado. Entre outubro de 2016 e outubro do ano passado, estes viram os seus ganhos mensais aumentarem 12,4%, o que corresponde a mais 9.026 euros mensais brutos.

O ordenados dos diplomatas fica acima dos 7.305 euros que Marcelo Rebelo de Sousa recebe e dos 6.848 euros de António Costa. Segundo os dados da DGAEP, em outubro de 2017, existiam 350 diplomatas. Estes são os funcionários mais bem pagos do Estado, pertencendo o segundo lugar aos magistrados, que ganham, em média, por mês 5.710 euros.

Recomendadas

CEiiA vai integrar plataforma dos Oceanos das Nações Unidas

Esta adesão ao United Nations Global Compact decorrerá, hoje, em Nova Iorque no âmbito da Assembleia Geral da Nações Unidas, que contará com a presença da Ministra do Mar de Portugal, Ana Paula Vitorino.

Prioridade da bicicleta como meio de transporte vai ser inscrita na Constituição da Suíça

Três em cada quatro eleitores suíços aprovaram em referendo a introdução de um novo princípio constitucional: a prioridade da bicicleta como meio de transporte, mediante políticas públicas focadas nesse objetivo e melhoria das infra-estruturas.

Tirar um curso superior pode custar sete mil euros por ano

No ano letivo de 2015/2016 estudar no ensino superior custava em média 6.445 euros anuais. Um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições.
Comentários