“Direito a desligar” do trabalho chumbado no Parlamento

A proposta do PS previa que “a utilização de ferramenta digital no âmbito da relação laboral não pode impedir o direito ao descanso do trabalhador, salvo com fundamento em exigências imperiosas do funcionamento da empresa”.

Os deputados do grupo de trabalho sobre as alterações à lei laboral chumbaram hoje as propostas dos vários partidos sobre o direito à desconexão profissional.

A proposta do PS previa que “a utilização de ferramenta digital no âmbito da relação laboral não pode impedir o direito ao descanso do trabalhador, salvo com fundamento em exigências imperiosas do funcionamento da empresa”.

Segundo a proposta, “na falta de acordo, o empregador define por regulamento as situações que devem constituir exigências imperiosas de funcionamento”.

Para o deputado do BE José Soeiro, a proposta dos socialistas é “perversa” e “perigosa” ao permitir que fiquem fixadas na lei as situações em que o trabalhador pode ser contactado.

Também a deputada do PCP Rita Rato recusou a proposta do PS, defendendo que a iniciativa dos socialistas permitiria “abrir brechas” no período de descanso do trabalhador.

O PCP propôs, por sua vez, um agravamento das penalizações em caso de violação do período de descanso, nomeadamente através da utilização das tecnologias de informação e de comunicação, mas a proposta também foi chumbada no grupo de trabalho.

Pelo caminho ficou também a proposta do BE que estabelecia que a violação dos tempos de descanso poderiam ser equiparada a assédio.

Os deputados do PSD e do CDS/PP sublinharam, por sua vez, que as propostas não integram o acordo de Concertação Social assinado há mais de um ano entre o Governo, a UGT e as confederações patronais.

Ler mais
Relacionadas

Vai de férias e não consegue desligar-se do trabalho? Siga estas cinco dicas para desfrutar do descanso

Está prestes a ir de férias? Os últimos dias de trabalho antes da partida podem ser muito stressantes, pois há muita coisa para deixar fechada. Siga estas cinco dicas para conseguir fazer tudo a tempo e ir de férias descansado, segundo a Robert Walters, consultora de recrutamento e seleção especializada.

Direito a desligar do trabalho: o novo projeto de lei e onde não se pode falhar

O grupo parlamentar do PS esteve bem ao não se deixar influenciar pela proposta do legislador francês de apenas prever o direito a desligar para o universo de empresas com 50 ou mais trabalhadores.

Farto de atender chamadas e responder a emails fora do horário laboral? Direito a desligar vai ser discutido no Parlamento

O projeto lei do Partido Socialista pretende dar diversos direitos aos trabalhadores na chamada era digital.
Recomendadas

Oi quer vender posição na Unitel de Isabel dos Santos

A Oi, que se encontra em processo de recuperação económica, prevê alienar a posição de 25% na Unitel, incluindo um processo de arbitragem, no quarto trimestre deste ano.

Governo escreve ‘cartão-missão’ à CGD e pede “gestão de risco adequada”

“Rendibilidade das operações, associada a uma gestão de risco adequada, e por uma rede de serviços financeiros abrangente”. Governo define prioridades do banco público em ‘carta missão’ onde elogia a administração de Paulo Macedo.

Rui Hortelão é o novo diretor de comunicação da KPMG

Enquanto jornalista, Rui Hortelão iniciou a carreira no “Record”, passou pelas redações da “Focus”, do “Correio da Manhã” e do “Diário de Notícias”, onde foi diretor-adjunto. Em 2013, assumiu a direção da revista “Sábado”, cargo que abandonaria em 2017 por alegado exercício de funções incompatíveis com a profissão de jornalista.
Comentários