Direitos televisivos desvalorizam quase 5 mil milhões de euros em 2020

As projeções para o futuro apontavam para o aumento do volume de negócios até chegar aos 56,1 mil milhões de dólares (46,2 mil milhões de euros) em 2022, até à pandemia do novo coronavírus ter entrado em “ação”, obrigando o desporto a adaptar-se.

Alessandro Bianchi/Reuters

Os adiamentos e cancelamentos dos eventos desportivos, provocados pela pandemia de Covid-19, continuam a ter impactos negativos no mundo do desporto. Segundo o relatório ‘Global Media’ da SportBusiness Consulting, os direitos televisivos para eventos desportivos diminuíram seis mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros).

O relatório anual faz uma avaliação e análise do sector dos direitos televisivos do desporto, acompanhando a sua evolução ao longo dos anos. Em 2019, pela primeira vez, o valor deste ativo ultrapassou os 50 mil milhões de dólares (41,2 mil milhões de euros), mantendo a tendência ascendente, crescendo 3,6% face a 2018 e atingindo os 51 mil milhões de dólares. O futebol continua a ser o principal desporto do mercado de direitos televisivos, movimentando 45% do total.

As projeções para o futuro apontavam para o aumento do volume de negócios até chegar aos 56,1 mil milhões de dólares (46,2 mil milhões de euros) em 2022, até à pandemia do novo coronavírus ter entrado em “ação”, obrigando o desporto a adaptar-se. Por fim, 2020 encerrou com direitos televisivos avaliados em 44,6 mil milhões de dólares (38,4 mil milhões de euros), uma redução de 12,55% em relação ao ano anterior.

O valor global dos direitos televisivos é sustentado por dez grandes desportos, cujas receitas combinadas (41,3 mil milhões de dólares) representam 92,6% das receitas totais. O futebol continua a ser o desporto rei nesta categoria, gerando cerca de 18,9 mil milhões de dólares (15,5 mil milhões de euros) em 2020 (42% do total), enquanto se aguarda o valor futuro dos seus direitos com base nas próximas negociações de competições nacionais, UEFA e a FIFA, para as suas respetivas competições.

Entre os desportos com maior impacto da pandemia de Covid-19 estão o beisebol (com redução de 39,1% da receita prevista após o cancelamento de dois terços da temporada da MLB (liga norte-americana); desportos universitários nos EUA (queda de 28,4%, afetado principalmente pelo cancelamento do March Madness de basquetebol); golfe (queda de 23,7%); e desportos motorizados (queda de 20,2%).

Os Estados Unidos continuam a ser o mercado de direitos desportivos mais valioso, respondendo por 43,6% do valor mundial das receitas em 2020, e com perspetiva de crescimento adicional. Em contraste, o Reino Unido e o Médio Oriente, entre os 10 mercados mais valiosos em 2020, não terão regressado aos valores pré-pandémicos até pelo menos 2023.

A incerteza permanece sobre os eventos desportivos. Embora muitas competições nacionais e internacionais tenham conseguido começar, outras, como os circuitos de ténis ATP e WTA, tentem apostar na quarentena dos jogadores para evitar novas suspensões e poder iniciar a temporada com o Open da Austrália.

Ler mais
Recomendadas

SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

“Não há espaço para questões emocionais” na negociação dos direitos televisivos, avisa especialista em marketing desportivo

Daniel Sá defende que em Portugal deve existir um conjunto de critérios objetivos para uma distribuição justa dos valores envolvidos na negociação. “Podemos ir beber várias das experiências que já existem e encontrar o modelo certo para nós”, refere.

Fórmula 1 fecha 2020 com perdas de 444 milhões e queda de 43% nas receitas

As receitas da Fórmula 1 caíram 43% no ano fiscal encerrado a 31 de dezembro de 2020, em comparação com o de 2019. Há um ano, a empresa recebeu dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).
Comentários