Direitos televisivos: na Liga portuguesa “primeiro classificado recebe 14 vezes mais que o último”

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Vilar, vice-dean da Faculdade de Ciências da Saúde e do Desporto da Universidade Europeia, aborda estudo do Observatório do Futebol sobre a competitividade em Portugal e nas cinco principais ligas europeias.

O estudo “o equilíbrio competitivo no futebol em Portugal e nas Big#5”,  do Observatório do Futebol da Universidade Europeia divulgado esta segunda-feira, revelou que apenas a liga inglesa superou o campeonato português de futebol como o mais desequilibrado da Europa.

Aquele que é por muitos considerado o campeonato mais espetacular da Europa, é de acordo com este estudo a competição onde foi notório um maior desequilíbrio na época anterior. A pontuação da última temporada na Premier League indica que este foi o campeonato onde o clube campeão (Manchester City) fez mais pontos por jogo (2.58) apesar da diferença para o segundo classificado ser a menor (0.03 pontos por jogo).

Luís Vilar vice-dean da Faculdade de Ciências da Saúde e do Desporto da Universidade Europeia, em declarações ao Jornal Económico, afirma que “é preciso diferenciar competitividade (equilíbrio de resultados) da espetacularidade e de uma liga que possui uma cultura de futebol ofensivo”.

Sobre o que pode a liga portuguesa fazer para melhorar a sua competitividade, o docente sublinha que o campeonato nacional “tem uma dimensão económico social muito produzida entre Lisboa e Porto, onde 95% dos adeptos são dos ‘três grandes'”.

Luís Vilar destaca também a importância da distribuição dos direitos de transmissão televisiva que em Portugal “não estão centralizados e onde o primeiro classificado recebe 14 vezes mais verba do que o último”, ao contrário do que acontece em Inglaterra, onde os direitos estão centralizados e “a diferença entre primeiro e último é de 1,6 vezes mais”.

“Curiosamente em Inglaterra, o Liverpool apesar de ter sido segundo classificado recebeu mais que o Manchester City (campeão). O Liverpool é um caso interessante porque não tem capital estrangeiro, mas tem um scouting, marketing e uma massa adepta enorme”, refere Luís Vilar.

Ler mais
Relacionadas

Qual a Liga mais desequilibrada da Europa? Só a Premier League supera o campeonato português

Estudo da Universidade Europeia analisou as últimas quatro épocas desportivas das competições nacionais de futebol, tendo por base a observação das dimensões pontuação, resultados e golos marcados e sofridos de todas as equipas envolvidas.
Recomendadas

Jogadora da seleção de futebol dos EUA rejeita ser recebida por Trump: “Não vou à p*** da Casa Branca”

Megan Rapinoe chegou a acusar Donald Trump de ser “sexista”. A jogadora já se chegou a ajoelhar durante o hino dos EUA em protesto contra a violência policial. Rapinoe faz parte de um grupo de jogadoras que está a processar a federação norte-americana exigindo prémios iguais à seleção masculina.
Foto: Francisco Paraiso/FPF

Cristiano Ronaldo deixa gorjeta astronómica a trabalhadores de hotel grego

Pagou oito mil euros por noite pela mansão e pagou uma gorjeta generosa aos trabalhadores da unidade hoteleira por manterem a discrição durante a sua estadia.

Cascais Padel Masters capta 1,5 milhões de euros em três anos

Cascais Padel Masters estima ter uma assistência de 15 mil pessoas. Prova tem aval da autarquia até 2021. A modalidade conta com 90 mil praticantes em Portugal.
Comentários