Dívida das empresas públicas caiu mais de 1.300 milhões de euros até junho

Ainda assim, o valor do endividamento ficou acima do objetivo expresso nos orçamentos das empresas do Estado.

O endividamento do setor empresarial do Estado registou um aumentou de 293 milhões de euros face ao primeiro trimestre de 2017, mas uma redução em relação a igual período de 2016, informa o “Diário de Notícias” desta quarta-feira, citando o relatório da Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização (UTAM) relativo ao segundo trimestre do ano.

O endividamento das emrpesas públicas fixou-se nos 30.608 milhões de euros no final do primeiro semestre de 2017, de acordo com este organismo do Minitério das Finanças. Segundo o DN, que analisou os dados da UTAM, o valor representa uma redução de 1.338 milhões de euros face ao valor da divida registada em junho de 2016.

Ainda assim, o valor do endividamento superou o objectivo expresso nos orçamentos das empresas públicas, mais 4.832 milhões de euros. Para a diminuição da divida, em período homólogo contribuíram a transferência da gestão da Carris (- 673 milhões) para a Câmara Municipal de Lisboa, os resultados da CP (- 422 milhões), Metropolitano de Lisboa (-303 milhões), Empordef (-209 milhões) – já extinta – e a Parpública (-174 milhões).

Relacionadas

Endividamento privado inverteu tendência e voltou a aumentar em outubro

O Banco de Portugal publicou esta quinta-feira as estatísticas do endividamento do setor não financeiro relativas a outubro e do financiamento das administrações públicas.

O que vai mudar na contratação pública em Portugal

A revisão do CCP, fruto da necessidade de alinhar o código português com as diretrizes europeias da contratação pública,entra em vigor a 1 de janeiro.
Recomendadas

Bruxelas quer esclarecimentos de Centeno sobre limite de despesa no OE2019

Comissão Europeia remeteu carta ao Governo português a solicitar esclarecimentos.

Bilhetes para o futebol estão mais caros em Itália. E a culpa é de um português

A claque da Juventus já apresentou várias queixas, e através de um comunicado, explicaram que vão aos jogos mas com desagrado, já que ver a ‘Vecchia Signora’ fora de casa custa 100 euros.
AHP - Raul martins

AHP defende a sua independência e reforça confiança em Cristina Siza Vieira

A AHP continua, assim, a contar “com as reconhecidas qualidades de competência, empenho, isenção e frontalidade” da sua presidente da direção executiva, Cristina Siza Vieira.
Comentários