Dívida vencida dos hospitais à indústria farmacêutica aumentou 13% em janeiro e já passou os 950 milhões

Face a janeiro de 2017, o valor das dívidas dos hospitais por pagar há mais de 90 dias aumentou 55,1%, segundo os dados que constam do último relatório síntese de execução orçamental.

Ler mais

A dívida vencida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à indústria farmacêutica aumentou 13,6% em janeiro, face a dezembro, para 951 milhões de euros, segundo os dados que constam do último relatório síntese de execução orçamental.

Face a janeiro de 2017, o valor das dívidas dos hospitais por pagar há mais de 90 dias aumentou 55,1%.

O ritmo médio de aumento mensal da dívida vencida dos hospitais públicos à indústria farmacêutica – medicamentos, mas também diagnósticos – foi de 30 milhões de euros em 2016, mas cresceu 60% no ano passado, para um valor médio mensal de aumento de 48 milhões de euros. No primeiro mês deste ano, o aumento foi de 114 milhões de euros, o que traduz um aumento para mais do dobro do valor mensal de crescimento.

Registe-se que os 613 milhões de euros de dívida vencida no final de dezembro registam-se já depois de um decréscimo de 266 milhões de euros em novembro, na sequência de ums injeção de capital anunciada pelo Estado para os hospitais.

A expectativas era de que a tendência de redução se manteria, pelo menos nos primeiros meses do ano, depois de o ministro das Finanças ter anunciado, no final de dezembro, uma injeção extraordinária de verbas no valor de 1.400 milhões de euros, para saldar dívida e pagamentos em atraso na Saúde. Deste valor, 500 milhões de euros seriam utilizados para a capitalização dos Hospitais EPE (Empresa Pública Empresarial) feita já em 2017 e que, de acordo com o ministro das Finanças, seria utilizada no início de 2018, algo que, como se constata do relatório síntese de execução orçamental, não veio a acontecer.

Apesar do crescimento da dívida em stock com mais de 90 dias, o saldo provisório do SNS foi positivo em 4,5 milhões de euros, em janeiro, em resultado de um aumento de 7,9% da receita, enquanto a despesa subiu 4,7%.

A variação positiva na receita resultou, essencialmente, das transferências correntes, que aumentaram 6,3%, com particular destaque para as transferências do OE (38,4 milhões de euros).

No relatório assinala-se ainda, embora com menor peso, o aumento nas vendas da ACSS – Administração Central do Sistema de Saúde (mais 8,3 milhões de euros), respeitante a recebimentos no âmbito de convenções internacionais relativas a cuidados médicos prestados a cidadãos estrangeiros, e o efeito de base do Fundo Ambiental (mais 6 milhões de euros), tendo em conta que, sendo um serviço novo no ano passado, só conseguiu começar a registar a execução em fevereiro de 2017.

Relacionadas

Consulte as despesas que abatem ao seu IRS a partir de amanhã

A consulta de despesas tem início amanhã, 1 de março, no Portal das Finanças. As despesas que vão ser consideradas nas deduções à coleta de IRS que são calculadas automaticamente pela AT incluem despesas gerais familiares; despesas de saúde; encargos com imóveis; encargos com lares e dedução pela exigência de fatura.

Saúde: ministro anuncia pagamento de suplemento a enfermeiros, mas greve mantém-se

Adalberto Campos Fernandes cedeu a duas reivindicações dos enfermeiros: um subsídio de 150 euros para os enfermeiros especialistas com retroativos a janeiro e a assinatura do protocolo negocial para a revisão da carreira.

PSD pede audição urgente do ministro das Finanças na Comissão de Saúde

“Quem manda na Saúde não é o ministro da Saúde, é o ministro das Finanças”, afirmou Ricardo Baptista Leite, revelando que o pedido de “audição urgente” do ministro das Finanças na Comissão Parlamentar da Saúde seguirá ainda esta sexta feira.

Ministro da Saúde sente-se “mais ministro que nunca” e nega estar cativo das Finanças

A deputada Galriça Neto (CDS) acusou esta sexta feira o ministro da Saúde de estar “cativo do ministro das Finanças”. Adalberto Campos Fernandes retorquiu afirmando que se sente hoje “mais ministro do que nunca”, insistindo na coesão do Governo.
Recomendadas

Chelsea FC está à venda: Abramovich quer 3,3 mil milhões de euros

Clube londrino pode mudar de mãos e já há um preço definido: quinze vezes mais do que foi investido pelo magnata russo há 15 anos.

Telefónica planeia vender filiais no México e América Central para reduzir dívida e valorizar em bolsa

Em causa estão as filiais da Telefónica no México, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Nicarágua e Panamá. A empresa de telecomunicações está a trabalhar neste cenário “há muitos meses” e as negociações estão “bastante avançadas”.

Pedro Proença em direto: os novos desafios do futebol profissional em Portugal

O presidente da Liga de Futebol Profissional está no International Club of Portugal para falar sobre o futebol português. Acompanhe em direto.
Comentários