Do Parlamento ao Palácio da Bolsa: este vai ser o périplo de João Lourenço em Portugal

Após a visita do primeiro-ministro António Costa a Luanda em setembro, a visita do presidente de Angola é a primeira visita oficial de um líder angolano em dez anos a Portugal.

Angop

Esta quinta-feira arranca a visita de Estado do presidente de Angola a Portugal, depois da visita do primeiro-ministro, António Costa, a Luanda em setembro, ter dado origem a uma nova fase nas relações político-diplomáticas.

A visita de António Costa a Luanda revestiu especial importância, após o “irritante” – que envolveu o antigo vice-presidente de Angola Manuel Vicente, e que confirmou a intenção de sanar o episódio, passando o futuro por resolver o problema das dívidas do Estado angolano a empresas portuguesas.

Na visita a Portugal, João Lourenço irá ser recebido pelos vários líderes políticos. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe o seu homólogo angolano amanhã pelas 11h50 e às 15 horas, o chefe do Estado angolano e o presidente do parlamento, Ferro Rodrigues, discursam numa sessão solene da Assembleia da República. João Lourenço segue depois para a Câmara Municipal de Lisboa, onde irá receber a chave da cidade das mãos do presidente da autarquia, Fernando Medina.

A visita prossegue com uma ida ao Instituto Nacional de Investigação Agrícola e Veterinária (INIAV), onde estará acompanhado do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos. O Palácio da Ajuda recebe depois João Lourenço para um banquete oficial, oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa e onde estará igualmente presente António Costa, entre outros convidados.

Na sexta-feira, o Presidente angolano arranca cedo para o Porto onde será recebido pelas autoridades locais antes de discursar no Fórum Económico e Empresarial Portugal/Angola, tal como o primeiro-ministro.

Pelas 11h45 chegará à Câmara Municipal do Porto onde o autarca Rui Moreira lhe vai entregar as chaves da cidade. João Lourenço é esperado cerca das 12 horas no Palácio da Bolsa para a assinatura de acordos e almoça com empresários portugueses e angolanos, antes de regressar a Lisboa.

Já na capital, o presidente de Angola encontra-se às 16h30 com a comunidade angolana residente em Portugal. No sábado João Lourenço visita, a partir das 9h25, a base naval do Alfeite e almoça com Marcelo Rebelo de Sousa, antes de pôr fim à visita oficial.

A primeira visita de um presidente angolano em dez anos 

A visita de João Lourenço é também a primeira visita oficial de um presidente angolano em dez anos e a primeira depois da visita de António Costa a Luanda. No último dia da visita, o líder do Executivo português acenou com uma cortesia diplomática ao afirmar que a relação entre Portugal e Angola “é uma parceria entre iguais, em que cada um contribui para a riqueza do outro e em que ambos beneficiam igualmente da relação”.

Após ser recebido por João Lourenço, no Palácio Presidencial, com honras militares, António Costa sublinhou a reciprocidade e a igualdade numa relação entre dois Estados soberanos, cujas sociedades estão “unidas” por “laços históricos e afetivos”.

No entanto, António Costa frisou que mais de mil empresas portuguesas de capitais mistos operam em Angola e que mais cinco mil firmas nacionais exportam para o mercado angolano – um dos dez maiores destinos de produtos nacionais e a delicada questão sobre as dívidas às empresas portuguesas, não foi deixada fora da agenda.

O primeiro-ministro português assegurou durante a visita que o tema não originará um novo “irritante” ou tensão entre os dois países e reconheceu a “grande preocupação, interesse e motivação” das autoridades angolanas em ultrapassar o problema.

 

* Com Lusa

Ler mais
Relacionadas

Isabel dos Santos alerta para possibilidade de “crise política profunda” em Angola

Tweet de Isabel dos Santos aponta vários fatores que podem fazer com que Angola entre em crise.

Eduardo dos Santos diz ter deixado Orçamento pronto, mas João Lourenço quis o seu

O ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos disse esta quarta-feira que deixou um orçamento de Estado pronto para o atual chefe de Estado, João Lourenço, mas este preferiu elaborar um novo documento, atrasando o processo habitual.

Luanda certifica dívida de 200 milhões de euros às empresas portuguesas

O governo angolano já certificou dívidas às empresas portuguesas no valor de 200 milhões de euros e, deste valor, já pagou 100 milhões, anunciou esta quarta-feira, em Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Angola.
Recomendadas

António Costa diz que só “iluminação divina” justificaria renegociação do Brexit

“Renegociar o quê? Tudo aquilo que tenho visto como críticas, aliás contraditórias, ao tratado, são pontos que não é possível mais renegociar”, disse o primeiro-ministro.

Brexit: Parlamento britânico vota acordo em janeiro

O Parlamento britânico votará em janeiro o acordo do ‘Brexit’, que foi negociado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), após o adiamento da votação marcada para esta semana, anunciou hoje o Governo britânico.

Brexit provoca quebra de 86 milhões de euros nas vendas de têxteis e vinho do Porto

Desde o referendo que ditou o Brexit que as exportações para o Reino Unido da indústria têxtil e do setor do vinho caíram 20% e 20,9%, respetivamente.
Comentários