Dona da Zara e da Maximo Dutti produz em Portugal 20% do que vende

“Portugal representa, em termos de compras de produto, praticamente 20% das compras totais” da Inditex, revelou hoje o presidente da empresa, Pablo Isla, durante a apresentação dos resultados anuais do grupo.

As empresas portuguesas do setor têxtil são responsáveis pelo fabrico de 20% dos produtos que a espanhola Inditex, dona da Zara e da Maximo Dutti e líder mundial de comércio de roupa a retalho vende em todo o mundo.

“Portugal representa, em termos de compras de produto, praticamente 20% das compras totais” da Inditex, revelou hoje o presidente da empresa, Pablo Isla, durante a apresentação dos resultados anuais do grupo.

Segundo informação enviada hoje pela empresa galega à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola), no exercício fiscal de 01 de fevereiro de 2017 até 31 de janeiro de 2018, as vendas aumentaram 8,7%, para 25.336 milhões de euros e o grupo tinha 7.475 lojas em todo o mundo.

“Na nossa perspetiva, Portugal tem e vai continuar a ter um papel chave entre os mercados mais relevantes de todo o nosso abastecimento”, sublinhou Pablo Isla.

Depois de anos a comprar e fabricar principalmente na Ásia, a Inditex adquire agora 60% dos produtos que vende em todo o mundo naquilo que chama “mercados de proximidade”: Espanha, Portugal, Marrocos e Turquia.

Segundo fonte da empresa, por razões “estratégicas”, e para não desvendar qual a sua margem comercial, a empresa não revela o valor das compras feitas em cada mercado.

“Esta produção de proximidade é uma das grandes chaves do sucesso da nossa empresa e claro que vai continuar a ser nos próximos anos”, realçou o presidente da Inditex.

Pablo Isla explicou que a “produção de proximidade” permite, por exemplo, à empresa ter uma “capacidade de reagir” e poder oferecer outros produtos em todo o mundo ainda durante uma campanha em curso.

Isso dá-nos “a possibilidade de estar a meio de março e poder ainda tomar decisões, que são significativas, para a campanha primavera/verão” que já começou, disse Pablo Isla.

A Inditex anunciou hoje lucros de 3.368 milhões de euros no exercício anual terminado em janeiro, mais 6,7% do que em 2016.

A empresa sublinhou que as vendas ‘online’ aumentaram 41% e são agora responsáveis por 10% das vendas totais do grupo em 2017.

“Cada vez é mais importante a venda online” e fazemos isso “com um enfoque integrado com as lojas físicas”, disse Pablo Isla.

Os resultados operacionais (EBIT) cresceram para 4.314 milhões de euros, um aumento de 7% (+12% a taxa de câmbio constante), e a margem bruta foi de 14.260 milhões de euros, 7% superior ao exercício anterior, o que representa 56,3% das vendas.

As vendas comparáveis (lojas existentes nos dois últimos exercícios) aumentaram 5% no exercício que terminou a 31 de janeiro último, quando no anterior tinham subido 10%.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) foi de 5.277 milhões de euros, um aumento de 4% em relação a 2016 (+8% a taxa de câmbio constante).

Em Portugal, o grupo Inditex tinha no final do ano passado 342 lojas com as marcas de Zara (70), Zara Kids (16), Pull&Bear (51), Massimo Dutti(42), Bershka (49), Stradivarius (44), Oysho (36), Zara Home (28) e Uterque (6).

Ler mais
Relacionadas

Dona da Zara e Maximo Dutti aumenta lucros em 6,7%, para 3.368 milhões de euros

Em Portugal, o grupo Inditex tinha no final do ano passado 342 lojas com as marcas de Zara (70), Zara Kids (16), Pull&Bear (51), Massimo Dutti(42), Bershka (49), Stradivarius (44), Oysho (36), Zara Home (28) e Uterque (6).

Jeff Bezos ultrapassa Bill Gates como “homem mais rico do mundo”

A fortuna acumulada pelo criador da Amazon aumentou 39 mil milhões de dólares, totalizando 112 mil milhões e suplantando assim o fundador da Microsoft no “ranking” anual de bilionários da revista “Forbes”. Ao nível europeu, Amancio Ortega (Inditex) foi ultrapassado por Bernard Arnault (LVMH).

Dona da Zara cai 7% na bolsa à espera de maus resultados. A crise chegou à Inditex?

A gigante Amazon tem assumido várias investidas para entrar no campo da moda. Os que mais sofrem são as cadeias de retalho de moda tradicionais. A Inditex apresenta resultados a 14 de março.

Inditex volta a estar contra as tendências: comprou instalações na Catalunha

Grupo fundado por Amancio Ortega nunca se confinou aos shoppings nem nunca transferiu o grosso da produção para a China. Agora, quando outras empresas fogem da Catalunha, investe no território da autonomia.

Santander ultrapassa dona da Zara como maior empresa espanhola na bolsa

O grupo bancário presidido por Ana Botin subiu na bolsa nas últimas semanas e reduziu a sua distância para a Inditex, que detém marcas como Zara, Stradivarius, Maximo Dutti, Berska, Pull & Bear e Oysho, entre outras.
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários