E-commerce: 2017 foi ano de crescimento em Portugal com resultados a atingir 4.145 milhões de euros

O estudo dos CTT revela que o e-Commerce em Portugal mantém a tendência de crescimento, ainda que a um ritmo mais lento do que a generalidade dos países do Sul da Europa.

Em Portugal, o e-commerce cresceu 12,5% em 2017, mais dois pontos percentuais do que em 2016, alcançando um valor total de 4.145 milhões de euros, num cenário em que quatro em cada dez portugueses faz compras online, segundo apurou a terceira edição do e-Commerce Report CTT (Correios de Portugal), documento que agrega as principais iniciativas e tendências do comércio eletrónico.

O relatório conclui ainda que as principais razões que levam os portugueses a comprar online são os preços mais baixos, a facilidade de compra, as promoções e a conveniência proporcionada por poderem comprar a qualquer hora. Os ebuyers compram cada vez mais frequentemente, mas com um valor médio por compra mais baixo. “Este fenómeno reflete um maior grau de confiança na decisão de compra online por parte de um maior número de compradores já existentes no mercado, que propicia as compras por impulso, aproveitando as promoções e campanhas”, ressalva a análise.

Os ebuyers efetuam 15,2 compras por ano, mais quatro do que em 2016, num aumento de 33%, gastando em média em cada compra 51,49 euros. Do total de compras, cerca de 80% estão associadas à aquisição de produtos. A média de produtos adquiridos por compra é de 2,1 produtos. Seis em cada dez compradores fazem compras online uma ou mais vezes por mês, o que se traduz num aumento de 17% face ao ano anterior.

Quanto ao futuro próximo, o estudo aponta para que, no curto prazo, o envolvimento com a compra online por parte dos ebuyers continue a aumentar, sobretudo devido à comodidade e facilidade de compra, a bons preços e a boa experiência de compra. A aumentar estará também a utilização de dispositivos móveis na compra online, sendo que se manterá estável o perfil de consumo dos diversos meios de pagamento, não se antevendo no curto prazo alterações significativas neste domínio.

Recomendadas

Governo apoiou em nove mil milhões de euros o investimento empresarial nos últimos três anos

“Nesta legislatura já praticamente esgotámos os montantes disponíveis para os sistemas de incentivo ao investimento empresarial. Apoiámos nove mil milhões de euros de investimento empresarial em todo o país nestes três anos”, revelou Pedro Siza Vieira.

Marvão Pereira diz que ISP é “um imposto deliberadamente encapotado”

O economista Alfredo Marvão Pereira considera que é urgente mitigar os efeitos adversos do imposto, cujos benefícios do ponto de vista ambiental vêm com custos para a macroeconomia e justiça social.

Manso Neto: “A descarbonização não é só substituir um tipo de produção energética por outra”

O presidente da Elecpor defende que a transição energética deve assentar numa “eletrificação maciça da economia” e incentivo à eficiência energética.
Comentários