É como “viver num paraíso fiscal”. Portugal está a atrair os multimilionários brasileiros

Cada vez mais brasileiros de classe alta estão a ser atraídos para terras lusas devido à expansão no mercado imobiliário e benefícios fiscais que Portugal oferece.

“Estamos na Europa, num país que passou por um renascimento nos últimos anos”, explica Ricardo Bellino, multimilionário brasileiro de 53 anos, à Bloomberg sobre a opção de viver em Portugal.

Bellino comprou uma casa num resort exclusivo, localizado numa serra nos arredores de Lisboa, e, destaca a agência noticiosa, tem direito a uma taxa de imposto especial de apenas 20% sobre os rendimentos e, no futuro, terá direito a uma pensão isenta de qualquer imposto.

“Foi uma oportunidade de viver num paraíso fiscal que não é uma ilha nas Caraíbas”, explicou Bellino, relembrando que Portugal implementou os incentivos fiscais há uma década com o objetivo de atrair estrangeiros de rendimentos elevados para o sul da Europa.

Em 2012, um ano depois de pedir um resgate internacional, o governo começou a oferecer vistos de residência para não europeus que comprassem imóveis no valor superior a 500 mil euros.

Como consequência, uma série de investidores estrangeiros concentraram forças em Portugal, sobretudo em Lisboa e Porto, alimentado uma acelerada valorização do cenário imobiliário do país. Segundo dados citados pela Bloomberg, os franceses responderam por 29% do investimento estrangeiro em imobiliário, seguidos pelos brasileiros, com 19%. Os britânicos com 11%, e chineses, com 9%. Apesar disso, os empresários do Brasil deverão tomar o pódio rapidamente, avança a agência.

“Estão a comprar casas em todo o lado”, afirmou Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). “Estes brasileiros são completamente diferentes daqueles que vieram para Portugal no passado. Pertencem a uma classe social mais elevada.”

Porém, nem tudo são boas notícias. O boom no setor imobiliário tem vindo a fazer-se sentir diariamente, e a Bloomberg refere precisamente isso, pondo as culpas nos investidores milionários estrangeiros. “O boom do turismo, no imobiliário e os incentivos à imigração ajudou a economia a apresentar o maior crescimento em quase duas décadas, mas também levou a uma reação entre os portugueses que se viram fora do mercado imobiliário à medida que a nova procura subiu os preços”, sublinha a agência. Só em 2018, os preços médios para viver em Lisboa cresceram 23,5% enquanto o salário médio subiu 3,7%.

Ler mais
Recomendadas

Água de icebergs vendida a 80 euros e água com “frequências sonoras de amor” entre as melhores do mundo

Extraídas a 914 metros de profundidade no Havai, de fontes nas ilhas Fiji ou polvilhadas com ouro. São assim algumas das águas engarrafas mais caras do mundo.

Prédios em centros históricos deixam de pagar IMI

Os imóveis nos centros históricos do Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos e Elvas passam a estar isentos de IMI.

Portugal emite hoje até 1.500 milhões em dívida a seis e a 12 meses

Portugal vai hoje ao mercado para colocar entre 1.250 e 1.500 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e a 12 meses.
Comentários