E se forem os municípios a coordenar entrega de apoios? Proposta vem de Castanheira de Pera

O presidente do município de Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, um dos mais afetados pelos incêndios de junho, disse que deviam ser as câmaras a coordenar a entrega de apoios às vítimas.

“Na sexta-feira reunimos com os representantes dos diversos fundos de apoio porque sentimos necessidade que as autarquias afetadas coordenem todo este processo, até porque têm os técnicos no terreno”, salientou Fernando Lopes.

Segundo o autarca, havia situações “que não estavam sincronizadas”, com entidades a atribuir apoios para a aquisição de maquinaria que podiam resultar em “duplo financiamento”.

Para o presidente do município da Castanheira de Pera, é da mais “elementar justiça e correção que sejam reportados à câmara os apoios atribuídos”.

“Não me parece bem que haja entidades a dar apoios paralelos. O que faz sentido é que seja o município a coordenar, já que coordena outros pagamentos, como os apoios à reconstrução das habitações”, sublinhou Fernando Lopes.

Relacionadas

Incêndios: Autarca de Pedrógão denuncia dinheiro desaparecido e subsídios duplicados

O Presidente da Câmara de Pedrógão Grande quer que o Ministério Público abra uma investigação a contas que foram abertas depois dos incêndios e cujo destino dos fundos é desconhecido. Valdemar Alves denuncia ainda que há pessoas a receber subsídios em duplicado.
Recomendadas

Ministério da Educação repudia agressões nas escolas e fala em casos “residuais”

O Ministério da Educação garante que as situações de violência grave nas escolas são “residuais” e que existe uma tendência de diminuição de casos, repudiando todas as agressões que considera “inaceitáveis seja quem for o agressor”.

Barcelona é a cidade preferida para os estudantes portugueses fazerem Erasmus

Espanha é o país mais procurado pelos estudantes universitários portugueses quando vão fazer Erasmus.

Lisboa é a 95º melhor cidade do mundo para se ir ao hospital

A capital portuguesa obteve uma pontuação de 62,25 quando analisados elementos como camas de hospital e cirurgiões per capita, acesso à saúde e custo dos medicamentos. Em 100 cidades, pior só está Telavive, Ramat Gan, Cracóvia, Praga e Dubai. Tóquio lidera o ‘ranking’ da startup britânica Medbelle.
Comentários