“e-Toupeira”: escutas sustentam suspeita de conluio entre Paulo Gonçalves e outros aguidos

Em causa estão crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, violação de segredo, falsidade informática, acesso ilegítimo e favorecimento pessoal, segundo a Procuradoria-geral Distrital de Lisboa.

Ler mais

O assessor jurídico do Sport Lisboa e Benfica, Paulo Gonçalves, e o funcionário do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça (IGFEJ) envolvido na “Operação e-Toupeira” só foram detidos após a Polícia Judiciária (PJ) ter recolhido provas através de operações de vigilância e escutas telefónicas, noticiam o “Jornal de Notícias” e o jornal “Record” esta quinta-feira.

Segundo os jornais, a PJ registou encontros e escutas telefónicas entre os arguidos Paulo Gonçalves, o técnico de informática José Silva, o oficial de justiça Júlio Loureiro, o ex-oficial de justiça José Manuel Ribeio e o agente desportivo Óscar Cruz, que terão conspirado sobre processos judiciais envolvendo o Benfica, mas também processos relativos ao Sporting Clube de Portugal e ao Futebol Clube do Porto. Em causa estão inquéritos em segredo de justiça no Ministério Público de Lisboa.

Segundo o “Jornal de Notícias”, as informações recolhidas das escutas telefónicas e das operações de vigilância consolidam os dados reunidos pelo IGFEJ numa auditoria informática: alguém terá acedido ao processo conhecido por “caso dos e-mails”, que está em segredo de justiça, a partir de um computador da comarca de Braga, embora tivesse as credenciais de uma pessoa de Lisboa.

Além do “caso dos e-mails”, alguém terá também acedido a processos judiciais que envolvem dirigentes do Sporting e do Porto.

Os arguidos são suspeitos dos crimes de corrupção ativa e passiva, violação de segredo, falsidade informática, acesso ilegítimo e favorecimento pessoal, segundo a Procuradoria-geral Distrital de Lisboa.

Na quarta-feira, 7, o assessor jurídico do Benfica saiu em liberdade após ter sido detido no dia anterior e posteriormente ouvido pela PJ, ficando proibido de contactar com os outros arguidos do processo “e-Toupeira”, informou despacho da juíza Cláudia Pina.

O outro detido no processo, José Silva, funcionário do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, a trabalhar no departamento de informática dos tribunais de Fafe e Guimarães, está indiciado por corrupção passiva e ficou em prisão preventiva.

A “Operação e-Toupeira” foi feita através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e no âmbito de um inquérito que corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

As autoridades perseguem a comprovação de indícios da “prática de acessos por funcionários a diversos inquéritos em segredo de justiça para obtenção de informação sobre diligências em curso, informações que eram depois transmitidas a assessor da administração de uma sociedade anónima desportiva a troco de vantagens”, segundo a Procuradoria-geral Distrital de Lisboa.

Na terça-feira, foram cumpridos seis mandados de buscas domiciliárias, um “mandado de busca a gabinete de advogado” – no caso, Paulo Gonçalves – e 21 mandados de buscas não domiciliárias. Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) informa que a operação envolveu cerca de 50 elementos da PJ – incluindo inspetores e peritos informáticos –, um juiz de instrução criminal e dois procuradores-adjuntos do Ministério Público. Foram realizadas 30 buscas nas áreas do Porto, Fafe, Guimarães, Santarém e Lisboa, “que levaram à apreensão de relevantes elementos probatórios”, refere.

Relacionadas

“e-Toupeira”: Paulo Gonçalves sai em liberdade, mas proibido de contactar arguidos

Ler mais O assessor jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves, ficou esta quarta-feira proibido de contactar com os outros arguidos do processo “e-Toupeira”, de acordo com o despacho da juíza Cláudia Pina. O outro detido no processo, José Silva, funcionário do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, a trabalhar no departamento de informática dos […]

Justiça: plataformas informáticas sem “níveis de segurança necessários”, alertam juízes

“A justiça é um poder independente que não tem qualquer controlo nem qualquer poder sobre a informação na própria justiça”, criticou o secretário-geral da Associação Sindical de Juízes.

Títulos do Benfica seguem estáveis na bolsa de Lisboa, um dia depois da “Operação e-Toupeira”

Os títulos da Sport Lisboa e Benfica – Futebol SAD seguem com uma subida muito ligeira de 0,36%, para 1,375 euros, na sessão bolsita desta quarta-feira, um dia depois da detenção do responsável pelo departamento jurídico do clube, por suspeitas de corrupção.

Paulo Gonçalves: oito títulos de campeão nacional em três clubes diferentes

Na carreira, feita por passagens pelo Futebol Clube do Porto, primeiro, depois pelo Boavista Futebol Clube e, agora, pelo Benfica, Paulo Gonçalves viu as principais equipas de futebol profissional dos clubes com que colaborava ganharem um total de 23 troféus.

Problemas com a justiça podem afetar a marca Benfica?

Em 2016, a marca benfiquista ainda constava entre as principais 50 marcas mais valiosas do mundo, integrando o grupo na 47.ª posição.
Recomendadas

Lucros do Benfica caem 53,7% para 20,5 milhões

O clube encarnado anunciou à CMVM lucros de 20,58 milhões de euros no exercício de 2017/2018, o que corresponde a uma queda de 53,7% face aos 44,53 milhões na época passada.

Transferências milionárias são um problema no futebol? FIFA prepara uma revolução

De acordo com um relatório da FIFA, encomendado por Gianni Infantino, o presidente do organismo máximo do futebol internacional pretende introduzir alterações no mercado de transferências. Entre os vários problemas, a especulação é a grande visada. Para já, é de esperar um limite aos empréstimos.

Liga dos Campeões: SL Benfica entra em prova com 43,5 milhões de euros nos ‘cofres’

As ‘águias’ entram em prova no estádio da Luz diante do poderoso Bayern de Munique, onde atua o ex-benfiquista Renato Sanches e querem limpar a imagem deixada na última temporada, onde não somaram qualquer ponto e marcando um só golo.
Comentários