“É um erro”. Rússia tenta impedir que os EUA abandonem acordo nuclear com o Irão

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Riabkov, disse, em entrevista à agência Interfax, que o país vai fazer tudo para preservar o acordo nuclear com o Irão.

Numa altura em que os Estados Unidos ameaçam o acordo nuclear com o Irão, a Rússia assegurou que vai fazer tudo para que o pacto continue em vigor. Em entrevista à agência Interfax, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Riabkov, afirmou que os EUA abandonarem o acordo assinado em 2015 seria um erro “muito grave”.

“Faremos tudo o que depender de nós para preservar o acordo”, afirmou Riabkov, à Interfax. “Estamos a chegar gradualmente à conclusão de que já foi tomada uma decisão interna, nos Estados Unidos, de sair ou que vai ser tomada em breve. Isso pode ser um dos erros graves de Washington em política externa, um erro de cálculo extremamente negativo”, acrescentou.

Em 2015, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido) e a Alemanha assinaram um acordo nuclear com o Irão, que implicava que o país mantivesse o programa nuclear com fins pacíficos. Em contrapartida, foram levantadas parte das sanções internacionais aplicadas ao Teerão.

No entanto, desde que Donald Trump chegou à Casa Branca que tem colocado em causa o acordo, tendo já defendido que este não evita o desenvolvimento de mísseis balísticos e não promove o respeito pelos direitos humanos.

Esta sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos confirmou a suspensão das sanções económicas ao Irão, mas avisou que esta poderá ser a última suspensão, pedindo aos parceiros europeus que acrescentem uma adenda ao atual acordo.

Recomendadas

Despesas dos eurodeputados devem continuar a ser secretas, decide Tribunal de Justiça da UE

Cada deputado ao Parlamento Europeu recebe cerca de 4 mil euros por mês para “despesas gerais” do respetivo gabinete. Tribunal de Justiça da União Europeia rejeita apelo de maior transparência, nomeadamente através da apresentação de faturas das despesas, porque isso colocaria em causa a “privacidade” dos eurodeputados.

Suécia afunda-se numa crise política inédita

Mais uma consequência das eleições de 9 de setembro: o social-democrata Stefan Löfven não sobrevive a um voto de confiança no parlamento e passa a chefiar um governo interino.

Venezuela: Reformas económicas geraram mais fome e miséria

A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) denunciou na segunda-feira que as reformas económicas, implementadas há um pouco mais de um mês pelo Presidente Nicolás Maduro, “têm gerado mais fome e miséria e não resolvem a inflação”.
Comentários