Ecologistas consideram “absurda” a nova lei europeia das energias renováveis

Os ambientalistas consideram a Europa deve evitar a utilização de árvores e plantações como forma de atender às necessidades das energias renováveis. O projeto de lei prevê acelerar a mudança para a ‘energia limpa’ até 2030.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Os governos da União Europeia e o Parlamento Europeu estão a ponderar avançar com um projeto de lei que prevê impulsionar a mudança em prol da ‘energia limpa’ até 2030. No entanto, os ecologistas consideram a Europa deve evitar a utilização de árvores e plantações como forma de atender às necessidades das energias renováveis.

Os grupos de ambientalistas defendem que, caso os estados-membros o façam, arriscam-se a que haja um novo aumento nos preços dos alimentos, bem como a subida da desflorestação e do desmantelamento de terras, de acordo com as declarações que foram divulgadas pela agência Bloomberg.

“As políticas da União Europeia são absurdas do ponto de vista da eficiência dos recursos”, disse à agência noticiosa Linde Zuidema, ativista do grupo de lobby de proteção florestal FERN, em Bruxelas, esta quinta-feira. Para Linde Zuidema, a madeira é a maior fonte de energia renovável da União Europeia e as políticas do bloco levaram a um crescente abate de florestas.

A proposta das instituições europeias tem como intuito atualizar a legislação em vigor segundo a qual a energia que advém da queima de biomassa, como os blocos de madeira, conta para as metas governamentais da ‘energia verde’ e pode ser subsidiada pelos governos. As empresas europeias, incluindo a Drax Group, beneficiam do uso de biomassa para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do carvão.

O novo quadro legal pretende evitar a especulação de preços, mas o facto de os estados não terem obrigação de denunciar o quanto essas empresas recebem em subsídios significa “queimar o dinheiro dos contribuintes”, defendem os ‘lobistas’. “A biomassa deve ser obtida de forma sustentável a partir de florestas que são trabalhadas e onde a biodiversidade é protegida e a produtividade é mantida, e onde o crescimento excede o que é devastado”, disse à agência noticiosa, Matt Willey, porta-voz em Selby, acrescentando que a firma britânica já se encontra em conformidade com a política de sustentabilidade do Reino Unido.

Relacionadas

Adeus, combustíveis tradicionais? Energia solar fotovoltaica cresce mais de 50%

O relatório “Renováveis 2017”, da Agência Internacional de Energia, refere que foram criados 165 gigawatts de energias renováveis ​no ano passado.
Recomendadas

Alívio do IRS é única promessa feita por todos

Todos os partidos defendem menos IRS para rendimentos médios e baixos. Noutros impostos há reduções para todos os gostos e más notícias paraos mais ricos. Mas esquerda e direita chegam a ter propostas semelhantes.

PremiumFisco avança com execuções a 500 advogados com dívidas à Ordem

Advogados que tenham quotas em atraso e não pagarem voluntariamente podem ser alvo de ações executivas. Já foram formalizadas 500 execuções fiscais junto da AT nas duas mil interpelações feitas pela Ordem.

Investimento chinês captado por vistos gold cai 16% até agosto e o de origem brasileira sobe 41%

O investimento por via de Autorizações de Residência para Atividade de Investimento subiu 80,6% em agosto, face a igual período de 2018, para 82,5 milhões de euros.
Comentários