Economia do Japão cresce 1,9% no segundo trimestre

A economia do Japão cresceu 1,9% no segundo trimestre de 2018, em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionada pelo consumo das famílias e investimento privado, anunciou hoje o Governo japonês.

Andrew Kelly/Reuters

A expansão do produto interno bruto (PIB) da terceira economia mundial em relação ao trimestre anterior foi de 0,5%, indicaram os dados agora publicados.

No primeiro trimestre do ano, o PIB japonês havia recuado 0,6% em relação ao mesmo período de 2017, devido a uma queda no investimento privado e público.

De acordo com o Governo, a economia japonesa recuperou da contração do trimestre anterior e evitou entrar em recessão, devido, “principalmente, ao consumo das famílias e ao investimento empresarial”, informou o Governo.

O consumo das famílias constitui um fator chave no quadro da “Abenomics”, a estratégia de crescimento económico do Governo, liderado por Shinzo Abe, e que visa pôr termo ao ciclo deflacionário que afeta o Japão há quase duas décadas.

Neste sentido, o executivo nipónico tem vindo a pressionar o setor privado a a elevar os salários de modo a revitalizar a terceira economia mundial, potenciando o principal motor de crescimento: o consumo.

Os investimentos de capital corporativo, outro elemento de peso na economia japonesa, subiram 5,2% em termos anuais e 1,3% em relação aos três meses anteriores.

As exportações mantiveram a tendência de crescimento, subindo 0,8%, em relação a 2018, e 0,2% em relação ao trimestre anterior.

Em contrapartida, o investimento público desceu 0,5% e 0,1% em temos anuais e trimestrais, respetivamente.

Ler mais
Recomendadas

Caso dos e-mails: Sporting estranha falta de esclarecimentos do Benfica

Segundo fonte oficial dos ‘leões’, as várias intervenções públicas dos ‘encarnados’ não serviram ainda para explicar “qualquer um dos inúmeros assuntos, muitos deles graves, expostos nos conhecidos e-mails”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

“É cedo” para avaliar o impacto económico do ‘shutdown’ e dos ‘coletes amarelos’, estima FMI

“Quanto mais durar, mais significativo será o efeito”, afirmou o porta-voz do FMI, Gerry Rice, sobre o encerramento parcial da administração federal norte-americana (“shutdown”), que dura há quase um mês e que já é o mais longo da história dos Estados Unidos.
Comentários