Economia em transformação digital

O congresso da APDC vai destacar casos concretos de transformação digital protagonizados por empresas em Portugal.

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações vai realizar a 27 e 28 de Setembro o 27º Congresso, que volta a ser presidida pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O “Digital Business Congress” de 2017 vai estar este ano focado em casos de transformação digital,“protagonizados pelos principais líderes da economia nacional” mantendo como tema “A Economia e Cidadania Digitais”.

O presidente da direção, Rogério Carapuça, explica ao Jornal Económico que “a economia é cada vez mais digital e portanto todos os players da economia são eles próprios cada vez mais digitais”. Darem exemplos e fazerem um estudo completo sobre os casos que estão a decorrer no terreno “é de facto importante para as pessoas perceberem o que está em jogo”, acrescenta o presidente da APDC, no que deverá ser o estudo mais desenvolvido e alargado sobre casos concretos de transformação digital em Portugal.

“Estamos a falar de 97 casos que vão ser apresentados nesse mesmo estudo. Um texto colaborativo com 68 colaboradores e 112 clientes envolvidos”. Depois, há uma equipa executiva, que trabalhou sobre este dados para produzir a arte final do texto.

O Congresso será ainda marcado por algumas sessões que são dedicadas ao tema da transformação digital e outras dedicadas a outros temas na ordem do dia. Entre os temas tradicionais do Congresso, o presidente refere os “três Estados da Nação”: o estado da nação das Comunicações, o estado da nação dos Media e o estado da nação das tecnologias de informação, em que pegando nos CEO das empresas mais representativas desses sub-setores se vai discutir o que se está a passar.

Há ainda temas sobre a regulação, a nova diretiva de proteção de dados, a liderança no feminino, e a indústria 4.0. Existe também uma linha de sessões dedicada às startups e aos empreendedores. Neste Congresso não faltarão ainda discussões de temas como os novos talentos digitais e o lançamento da APDC digital Academy.

“O balanço que fazemos até agora é muito positivo. E queremos chamar as outras empresas a estarem connosco, para estudarmos mais em detalhe aquilo que são as temáticas dos outros setores que a tecnologia pode ajudar a resolver”, conclui Rogério Carapuça.

A APDC assume-se como plataforma de debate e reflexão dos temas decisivos e mobilizadores das TIC e Media. Desde 1984, desenvolve a sua atividade em torno de um conjunto consistente e mobilizador de iniciativas, envolvendo todos os stakeholders nos temas que marcam a agenda de uma indústria que cada vez mais horizontal e crítica.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários