Economia está mais resiliente, mas há “significativas fontes de risco sistémico”, diz BdP

No relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o Banco de Portugal identifica a atual conjuntura internacional como fonte de pressão para a economia portuguesa.

Cristina Bernardo

A economia portuguesa aumentou a capacidade de resistir a eventuais choques externos, mas os crescentes constrangimentos internacionais continuam a colocar pressão para Portugal, segundo o Banco de Portugal.

No Relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o regulador salienta as “significativas fontes de risco sistémico” na atual conjuntura internacional, ainda que reconheça que o país prosseguiu “a redução das vulnerabilidades da economia portuguesa e do sistema bancário português e aumentou a resiliência a choques adversos”.

“Importa realçar que este trajeto de melhoria tem de continuar a ser desenvolvido e aprofundado em função da permanência de constrangimentos importantes, designadamente a manutenção de um baixo crescimento potencial da economia portuguesa”, refere.

O BdP sublinha que a economia portuguesa registou este ano “desenvolvimentos favoráveis do ponto de vista financeiro”, nomeadamente a redução dos rácios de endividamento do setor privado e o aumento da capitalização das sociedades financeiras.

O regulador salienta ainda a diminuição da dívida pública, desde 2017, prevendo que a balança de capital “deverá manter um excedente no conjunto do ano”. Destaca ainda a recuperação da rendibilidade bancária e a diminuição do crédito malparado, que “continuaram a reduzir-se a um ritmo significativo”.

Relacionadas

BdP: Principal ameaça à estabilidade financeira é a reavaliação “abrupta” dos prémios de risco

No Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal salienta que este risco se agravou face à avaliação do último relatório da instituição.
Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários