Economia está mais resiliente, mas há “significativas fontes de risco sistémico”, diz BdP

No relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o Banco de Portugal identifica a atual conjuntura internacional como fonte de pressão para a economia portuguesa.

Cristina Bernardo

A economia portuguesa aumentou a capacidade de resistir a eventuais choques externos, mas os crescentes constrangimentos internacionais continuam a colocar pressão para Portugal, segundo o Banco de Portugal.

No Relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o regulador salienta as “significativas fontes de risco sistémico” na atual conjuntura internacional, ainda que reconheça que o país prosseguiu “a redução das vulnerabilidades da economia portuguesa e do sistema bancário português e aumentou a resiliência a choques adversos”.

“Importa realçar que este trajeto de melhoria tem de continuar a ser desenvolvido e aprofundado em função da permanência de constrangimentos importantes, designadamente a manutenção de um baixo crescimento potencial da economia portuguesa”, refere.

O BdP sublinha que a economia portuguesa registou este ano “desenvolvimentos favoráveis do ponto de vista financeiro”, nomeadamente a redução dos rácios de endividamento do setor privado e o aumento da capitalização das sociedades financeiras.

O regulador salienta ainda a diminuição da dívida pública, desde 2017, prevendo que a balança de capital “deverá manter um excedente no conjunto do ano”. Destaca ainda a recuperação da rendibilidade bancária e a diminuição do crédito malparado, que “continuaram a reduzir-se a um ritmo significativo”.

Relacionadas

BdP: Principal ameaça à estabilidade financeira é a reavaliação “abrupta” dos prémios de risco

No Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal salienta que este risco se agravou face à avaliação do último relatório da instituição.
Recomendadas

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Blockchain: Santander faz acordo de 620 milhões de euros para usar tecnologia da IBM

Acordo prevê a incorporação de tecnologias da IBM em áreas como a blockchain, big data e inteligência artificial. CIO do Santander, David Chats, diz que aposta está em linha com a “estratégia de progresso constante”.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).
Comentários