Economia social deixa de ser o parente pobre do empreendedorismo e inovação

Empresas, Governo, AIP e Comissão Europeia juntaram-se no encontro nacional de empreendedorismo e inovação social, em Lisboa, para mostrar que há mais mecanismos de apoio e empenho das organizações em mitigar as patologias sociais do país, sem esquecer o negócio.

A economia social está a ganhar peso em Portugal. Em 2016, representava 5,3% das remunerações e do emprego total no país e o seu Valor Acrescentado Bruto (VAB) era 3% do VAB da economia nacional nesse ano, mais 14,6% do quem em 2013, segundo a última “Conta Satélite da Economia Social”, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística.

Atentos aos instrumentos financeiros disponíveis e às metas de responsabilidade social estiveram os cerca de 20 mil participantes no 4º encontro nacional de empreendedorismo e inovação social “Portugal Economia Social”, que se realizou a 10 e 11 de dezembro, no Centro de Congressos de Lisboa.

Para o Governo, estes números mostram que é um setor com “expressão” e em crescimento em Portugal, o que gera maiores necessidades, nomeadamente de inovação e investimento. “Hoje estamos aqui por causa das pessoas. As patologias sociais vão mudando de características mas não desaparecem, não escolhem sociedades nem países”, salientou o secretário de Estado do Planeamento na cerimónia de abertura. “Temos sempre a ideia de que cabe ao Estado resolver essas patologias. Concordo, mas o Estado são todos: território, empresas, entidades sem fins lucrativos. Sem escamotear a responsabilidade do Estado, o desafio de as colmatar cabe a todos”, disse ainda José Gomes Mendes.

O presidente da Fundação AIP aproveitou a presença de um membro do Governo na conferência para lançar o desafio de uma parceria conjunta e de um envolvimento político-institucional à Secretaria de Estado do Planeamento para a 5ª edição deste evento. “Prende-se com o facto de existir um défice de perceção da real importância da economia social na sociedade portuguesa, e isso passa por discutir e criar espaços de convergência estratégica por parte de todas as partes interessadas na economia social, quanto aos desafios, tendências e oportunidades, isto é, o futuro da economia social. E, tendo em conta o papel catalisador das políticas públicas, o envolvimento político-institucional assume a maior importância”, esclareceu Jorge Rocha de Matos ao Jornal Económico (JE).

Estamos confiantes que a 5ª edição do Portugal Economia Social em 2020 também poderá servir para debater os próprios sistemas de incentivos e recomendar novas soluções e linhas de intervenção em matéria de financiamento e de criação de uma rede de startup e microempresas inovadoras – Jorge Rocha de Matos

Ao nível da União Europeia, a economia social conta com mais de 2,8 milhões de entidades e empresas e 1,6 milhões de empregos remunerados. Rita Fortunato Baptista, que esteve em representação da Comissão Europeia na conferência, diz que Bruxelas tem a inovação social como “algo bastante importante” no qual está a trabalhar desde 2010. Entre os mecanismos de apoio a esta área estão o Fundo Social Europeu (FSE), o Programa da União Europeia para o Emprego e a Inovação Social (EaSI), o Horizonte 2020 (futuro Horizonte Europa) ou o prémio European Social Innovation Competition.

Entre 2014 e 2017, foram investidos mais de mil milhões de euros pelo FSE – sendo que, em Portugal, uma percentagem serviu para criar a Estrutura de Missão Portugal Inovação Social (EMPIS). “A Comissão Europeia acompanha desde o seu início esta iniciativa que louva e que acha muito positiva. Temos apoiado e facilitado espaços de partilha para que outros países possam se inspirar e replicar a experiência. Através deste uso pioneiro de fundos europeus, PT Inovação Social é um fundo público único na EU e mobiliza cerca de 150 milhões do FSE”, refere fonte da instituição europeia ao JE.

Já o EaSI foi responsável pelo investimento de 30 milhões de euros em experimentação social, nesses mesmos três anos, nos domínios da inclusão ativa, da integração de refugiados e do equilíbrio entre a vida profissional e familiar. “Além disso, será lançado um conjunto de missões europeias de investigação e inovação, com objetivos ambiciosos e com forte valor acrescentado europeu em domínios que afetam o nosso dia-a-dia, incluindo no domínio social”, assegura a mesma fonte, lembrando ainda que o Plano Juncker reserva 150 milhões de euros para ações-piloto no domínio social.

No âmbito do quadro financeiro plurianual pós-2020, a Comissão Europeia apresentou no final de maio uma proposta para o próximo Fundo Social Europeu – o FSE Plus – orçamentado em 101 mil milhões de euros para o período de 2021-2027.

“Por natureza e definição os mecanismos financeiros são sempre escassos, mas é justo reconhecer que se tem feito um esforço considerável para agilizar incentivos e outros mecanismos financeiros a nível nacional, para alavancar as iniciativas e os projetos protagonizados pelos diferentes atores da economia social. A nível da União Europeia também tem sido notório o esforço para conferir mais meios de financiamento para a economia social, mas creio que é necessário ir mais além no novo quadro de intervenção europeu, a partir de 2020”, refere Jorge Rocha de Matos.

O Montepio tem interesse nesta componente há vários anos. Apesar de ser um banco de retalho e comercial, sempre olhou para a inovação social, e a prova disso é que, desde 2008, tem uma direção própria para olhar só para a economia social. É evidente que hoje os desafios são diferentes. Há mais tecnologia e cooperação, por isso as respostas têm de ser mais céleres – Fernando Amaro, diretor de Economia Social do Banco Montepio

Como evoluiu o conceito de inovação social?

O professor Filipe Santos, dean da Católica Lisbon School of Business & Economics, traçou a cronologia deste setor ao longo das últimas duas décadas. Há três fases históricas que se destacam:

  • – Nomear os empreendedores sociais: Segundo este docente, nos anos 80 começa a notar-se um agente de mudança, um(a) empreendedor(a) diferente, com pragmatismo e visão capazes de criar inovações sociais sem estarem circunscritas a uma área. “Não tinham nome na altura, ninguém sabia quem eram apesar de terem sempre existido”, recorda. Em 1986 é criada uma rede mundial de apoio de empreendedores sociais e em 1998 nasce a Fundação Schwab, em parceria com o Fórum Económico Mundial. Trata-se de marcos que ajudaram a colocar o tema da inovação social na agenda.
  • – Reconhecimento deste ecossistema pela sociedade: Em 2016 o Prémio Nobel da Paz é atribuído ao economista e banqueiro Muhammad Yunus. À parte o seu sistema revolucionário de microcrédito surge, a partir daí, o conceito de empresa social, incubadoras, aceleradoras, redes de impacto social, fundos de investimento de impacto. “É o momento em que se percebe que este é um trabalho de todos”, afirma Filipe Santos.
  • – Transformação: Disseminação do conceito no setor, nas empresas e no Estado.

Santa Casa vai lançar fundo com 500 mil euros anuais para apoiar projetos de inovação social

Ler mais

Relacionadas

Montepio Acredita Portugal comemora dez anos e lança programa de incubação

As inscrições para a 10ª edição do concurso estão abertas até 1 de Março de 2020.

Títulos de Impacto Social são como as “PPP” do investimento mas precisam de ser replicadas

TIS permitem aos investidores “reciclarem” dinheiro e voltarem a investir. O secretário de Estado do Planeamento defende a replicação de modelos como este. “Se não o fizermos, o projeto de inovação capta a atenção, recursos e mediatismo e o resto fica à sombra disso. Logo, num primeiro momento pode até gerar desigualdade”, explica.
Recomendadas

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.

Mais de 264 mil portugueses estão em risco de desemprego devido à pandemia

Pandemia de Covid-19 pode fazer desemprego disparar 75% até ao final do ano, segundo cálculos do Jornal Económico, com base em cenários publicados pelo Banco de Portugal e dados do Instituto Nacional de Estatística. Serviços e indústria são os mais expostos, dizem especialistas.

Economia britânica recua 0,1% em fevereiro

A contração do PIB do Reino Unido, em parte devido ao setor da construção, surpreendeu os analistas britânicos, que esperavam inclusivamente um crescimento no segundo mês do ano.
Comentários