EDP: ‘board’ vai propor reforço do investimento em renováveis e plano para vender ativos

O Conselho de Administração Executivo e Conselho Geral de Supervisão vão reunir esta segunda-feira para discutir e deliberar sobre o conteúdo do ‘Strategic Update’ para o período 2019-2022, a ser apresentado ao mercado no dia 12 de março. A proposta que contempla, em termos genéricos, quer um reforço do investimento em renováveis quer um plano de alienação de activos, afirmou a empresa.

Ctristina Bernardo

A dois dias da apresentação do Strategic Update em Londres, a EDP emitiu um comunicado a esclarecer notícias divulgadas sobre o teor do plano na passada sexta-feira, adiantando que o board liderado por António Mexia vai esta segunda-feira propor ao conselho de supervisão uma maior aposta nas renováveis e a venda de alguns ativos.

Em comunicado divulgado no site da CMVM este domingo, a elétrica referiu que o esclarecimento vem no seguimento da publicação de notícias pela agência Reuters e pelo jornal online ECO com os títulos, respetivamente, “EDP prepara venda de ativos de produção elétrica em Portugal” e “EDP vai investir 7 mil milhões em renováveis”.

A empresa adiantou no comunicado que “os órgãos sociais da EDP, Conselho de Administração Executivo (CAE) e Conselho Geral de Supervisão (CGS), reunirão no dia 11 de março para discutir e deliberar sobre o conteúdo do Strategic Update para o período 2019-2022, a ser apresentado ao mercado no dia 12 de março, tal como anteriormente comunicado”.
Sublinhou que “a proposta que o CAE submeterá ao CGS contempla, em termos genéricos, quer um reforço do investimento em renováveis quer um plano de alienação de activos”

A EDP disponibilizará mais detalhe sobre estes temas na referida apresentação ao mercado sobre o seu Strategic Update, concluiu.

António Mexia em Londres na próxima semana para vender centrais elétricas da EDP em Portugal

Ler mais
Relacionadas

PremiumOPA chinesa à EDP corre risco de ficar na mesa de Donald Trump

O comité de investimento estrangeiro dos EUA pode aprovar a compra dos ativos pela China Three Gorges. Mas em qualquer caso de dúvida é o presidente que decide em função da segurança nacional.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Esta terça-feira, a EDP apresenta os resultados empresariais de 2018 antes da abertura do mercado e António Mexia apresenta em Londres o plano estratégico da empresa. A semana ficará também marcada pela avaliação da Standard & Poor’s à dívida soberana portuguesa. Em setembro, a agência norte-americana manteve a notação da dívida soberana portuguesa inalterada em ‘BBB-‘, mas subiu o outlook para ‘positivo’.

Governo ‘acarinha’ OPA da China Three Gorges sobre a EDP

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, discordou das propostas feitas pelo fundo Elliott à EDP, considerando que a venda dos ativos da EDP Brasil “não parece ao Governo de Portugal uma ideia muito feliz”.

Fundo americano: Venda da EDP Brasil e centrais a carvão rende 7,6 mil milhões

O fundo Elliott quer reduzir a dívida líquida de 14,5 milhões de euros da EDP. Para tal, defende a venda de vários ativos no Brasil, em Portugal e em Espanha, prevendo um encaixe superior a sete mil milhões. O foco de investimento nos próximos anos devem ser as renováveis, argumentam os norte-americanos.

OPA: Fundo americano exige aos chineses da CTG subida da oferta pela EDP

Além da revisão da oferta, o fundo Elliott exige saber o que a CTG pretende fazer à EDP e nas questões regulatórias que a OPA enfrenta em Portugal, na Europa e nos Estados Unidos. Os americanos criticam a forma como a CTG está a conduzir a OPA e considera que poderá mesmo provocar um “enfraquecimento da EDP”.
Recomendadas

PremiumO fantasma da OPA não assustou o plano de Mexia

EDP quer investir 5 mil milhões na América do Norte apesar do risco do chumbo do CFIUS. Plano não é incompatível com a OPA, diz CEO.

No caso da OPA falhar: EDP e chineses podem forjar parceria para o Brasil e América do Sul

No Brasil, o grupo EDP detém 51% da EDP Brasil, com a CTG a deter também vários ativos no país. As duas companhias já estão a desenvolver em conjunto uma barragem no Peru. A Reuters avança que as duas companhias podem juntar-se naquela região, se a OPA cair por terra.

Os 5 pontos principais do plano estratégico da EDP até 2022

Investimento em renováveis, principalmente na América do Norte, a par da venda de ativos em Portugal e Espanha são dois dos pontos fortes do novo plano estratégico apresentado em Londres por António Mexia.
Comentários