EDP emite 500 milhões com vencimento em novembro de 2027 com juros abaixo do Estado

A EDP financia-se abaixo da República. Esta emissão destina-se a financiar as necessidades decorrentes da actividade normal da empresa, permitindo alongar o seu prazo de maturidade e reforçar a flexibilidade financeira, diz a empresa.

A EDP – Energias de Portugal, comunicou ao mercado que a EDP Finance BV fixou hoje o preço de uma emissão de obrigações no montante de 500 milhões de euros com vencimento em novembro de 2027, cupão de 1,5%, a que corresponde uma yield de 1,59%. Isto é, abaixo dos juros da República, que a 10 anos estão nos 1,95%.

No passado dia 8 Portugal conseguiu o juro mais baixo de sempre para se financiar a dez anos. Os investidores aceitaram comprar dívida portuguesa com uma taxa de 1,939%,

As obrigações serão emitidas ao abrigo do programa de emissão de títulos de dívida “Programme for the Issuance of Debt Instruments (MTN)” da EDP e EDP Finance BV e serão admitidas à cotação na irlandesa Irish Stock Exchange.

Esta emissão destina-se a financiar as necessidades decorrentes da actividade normal da empresa, permitindo alongar o seu prazo de maturidade e reforçar a flexibilidade financeira, diz a empresa.

Nesta transacção actuaram como “Joint-Bookrunners” o Barclays, BNP Paribas, CaixaBank, CaixaBI, Citi, ING, Mediobanca, MUFG e UniCredit.

Recomendadas
Haitong com prejuízos de 2 milhões no semestre. Resultado operacional é positivo
“O dinamismo positivo das receitas beneficiou do recente processo de reestruturação e reposicionamento do Banco, o qual tem vindo a assumir-se como a unidade de Corporate and Investment Banking do Grupo Haitong”, justifica o banco de investimento.
Governo dá força aos têxteis em Paris
Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização, e Nelson de Souza, secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, acompanham uma comitiva de mais de 40 empresas.
Associações contra a venda da Herdade da Comporta por razões ambientais
A Zero e a Transparência e Integridade descrevem cinco razões que obstam à venda da Herdade na Comporta. Entre vícios legais, decisões inexplicáveis e impactos ambientais, as duas associações apelam que os processos que se venham a desenvolver tenham o mínimo impacto ecológico possível.
Comentários