EDP esclarece que pagou 481 milhões de euros em IRC em Portugal

A EDP reage a uma notícia do ‘Expresso’ em que se referia que a empresa tinha conseguido uma taxa efetiva de imposto sobre os lucros de 0,7% e o grupo EDP apurado um imposto líquido de 10,3 milhões de euros.

A EDP esclarece que pagou 481 milhões de euros de IRC em 2017 em portugal, o que equivale a 9,3% do IRC total arrecado pela Autoridade Tributária, ao contrário do que dizia uma notícia do ‘Expresso’ que referia que a EDP tinha conseguido uma taxa efectiva de imposto sobre os lucros de 0,7% e grupo EDP tinha apurado um imposto líquido de 10,3 milhões de euros.

É dito pela EDP que o ‘Expresso’ confunde o reporte contabilístico no relatório e contas e os valores efectivamente pagos de IRC pela EDP em Portugal.

“Os cerca de 10 milhões de euros relativos a 2017 que são referidos dizem respeito ao Grupo EDP, que tem atividade em todo o mundo, e beneficiam de um conjunto de eventos ocorridos fora de Portugal, nomeadamente a reforma fiscal nos EUA (equivalente a cerca de 44 milhões de euros) e a isenção de mais valias por venda de ativos em Espanha (cerca de 200 milhões de euros)”, explica a EDP.

Recomendadas

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.
Comentários