EDP foi beneficiada em mais de mil milhões de euros

A equipa de investigação do Ministério Público suspeita que a eléctrica foi beneficiada em mais de mil milhões de euros com decisões tomadas de forma deliberada, avança o semanário Expresso.

Segundo o semanário o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) está a averiguar a substituição, em 2004, dos contratos de aquisição de energia (CAE) pelos custos de manutenção para o equilíbrio contratual (CMEC), contratos esses que garantem rendas anuais à EDP.

O artigo avança também que o processo do Ministério Público passa ainda pela investigação à extensão do prazo de concessão de 27 barragens pela qual a EDP pagou ao Estado 759 milhões de euros em 2007.  O Expresso adianta que as perícias técnicas da investigação e a audição de uma dúzia de testemunhas leva, a equipa de investigação a crer que a eléctrica foi beneficiada em mais de mil milhões de euros com decisões tomadas de forma deliberada.

Relacionadas

Rendas da EDP vão custar 470 euros a cada consumidor

Cerca de 40% do valor pago mensalmente pelos consumidores vai diretamente para custos como a garantia de potência ou o preço especial de produção da energia eólica.

O Estado e as “rendas” da EDP

Os gestores e os acionistas da EDP procuram maximizar o valor para a empresa. Afinal, é esse o seu trabalho. Mas e o Estado? Qual é o seu papel nesta história?
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários