EDP recomprou 500 milhões de dívida

A elétrica portuguesa recomprou mais cem milhões de dívida do que o esperado, numa operação de 500 milhões de euros. Mais de metade da operação de recompra da dívida incidiu sobre uma linha de dívida a vencer em setembro de 2020.

Cristina Bernardo

A EDP, elétrica portuguesa, vai recomprar dívida no valor de 500 milhões de euros, cem milhões de euros acima do que tinha sido anunciado, no final de novembro. Na altura, a empresa, liderada por António Mexia, revelou ter lançado uma oferta sobre diferentes linhas de dívida, com diferentes prazos de maturação, com um valor agregado de três mil milhões de euros.

Segundo o comunicado divulgado pela Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a maior parte da recompra diz respeito à linha da dívida a vencer em setembro de 2020, tendo a EDP recomprado cerca de 288 milhões. De resto, recomprou cerca de cem milhões de dívida a vencer em abril do próximo ano, 66,6 milhões a vencer em janeiro de 2020 e 46,7 milhões a vencer em janeiro de 2021.

A EDP, quando informou o mercado sobre esta operação, disse que tinha sido lançado um processo de ofertas para aquisição em dinheiro de valores mobiliários representativos de dívida pertencentes aos detentores das emissões que venciam entre 2019 e 2022, e indicou poder aceitar a aquisição de valores mobiliários até um montante máximo total de 400 milhões de euros, mas reservava o direito de rever o montante final a aceitar para um valor global superior ou inferior a este. Assim, a elétrica portuguesa optou por recomprar cem milhões acima do que tinha anunciado.

Na altura, a empresa liderada por António Mexia explicou que esta operação se enquadrava nas “iniciativas destinadas a otimizar a carteira de passivos do Grupo EDP e a aumentar a maturidade média da dívida do Grupo EDP, utilizando liquidez disponível para reduzir o montante da sua dívida bruta como parte da estratégia de gestão da dívida do Grupo EDP”.

Relacionadas

Fitch mantém rating da EDP

Para a EDP, “esta afirmação da notação de rating reflecte a posição de liderança da EDP em Portugal, o peso significativo das actividades reguladas e quasi-reguladas bem como o nível de alavancagem financeira da empresa”.

PremiumCredores exigem 700 milhões de euros à Brisa e ameaçam ficar com concessões

A dívida bancária das concessionárias Brisal e Douro Litoral, de 1,6 mil milhões, que foi comprada pelos fundos, está a criar uma “guerra” entre os credores e a Brisa. Os fundos querem ser pagos, mas pedem um valor que a Brisa considera “inviável”.

Brisa acusa SVP Global de se ter retirado de um acordo para fazer especulação

Brisa repudiou esta tarde, em comunicado, a postura especulativa da SVP Global. “Retirar a concessão é uma ameaça típica de um hedge fund” diz a empresa.

Calendário da OPA à EDP não depende da visita do presidente chinês, afirma Mexia

“Quer a CTG, quer os reguladores estão a fazer aquilo que lhes compete”, disse António Mexia, numa conferência que antecede a visita do Presidente Chinês Xi Jinping a Portugal, citado pela agência Reuters.

SIC: E-mails indiciam que administradores da EDP manipularam Manuel Pinho

Novos emails do caso EDP mostram que a empresa terá tido acesso a informações reservadas do gabinete de Manuel Pinho. A investigação do DCIAP revela o envolvimento da administração da EDP em decisões do Governo em 2007.O caso está a ser revelado pela SIC, mas também pela Visão.
Recomendadas

Governo propôs “mecanismo célere e ágil” para lesados não qualificados do Banif

“Após um aprofundado trabalho de análise jurídica, atendendo às diferenças face ao caso dos lesados do papel comercial do BES, o Governo propôs na referida reunião que fosse adotado um mecanismo célere e ágil com vista a reduzir as perdas sofridas pelos lesados não qualificados do Banif”, é referido num comunicado do gabinete do primeiro-ministro.

Marques Mendes antevê acusações de gestão danosa da CGD nos anos 2005 a 2008

Segundo o comentador, o facto de Ministério Público ter chamado a si a auditoria às gestões anteriores da CGD significa que se prepara para acusar gestores de gestão danosa. Marques Mendes revelou ainda que a auditoria está também no BCE. Outro tema em análise foi a OPA à EDP, a propósito da visita de Xi Jinping a Portugal. Marques Mendes diz que a OPA vai morrer de forma “natural”.

China convoca embaixador norte-americano após detenção de diretora da Huawei

A China convocou hoje o embaixador dos Estados Unidos em Pequim para protestar contra a detenção da diretora financeira da operadora de telecomunicações chinesa Huawei e pediu a Washington que abandone o pedido de extradição.
Comentários