EDP Renováveis vende ativos de energia eólica à China Three Gorges por 248 milhões

Conforme avança a elétrica, a transação dos ativos de energia eólica insere-se no contexto de uma colaboração estabelecida entre a EDP e o seu maior acionista, a China Three Gorges.

A EDP Renováveis (EDPr) avançou, esta sexta-feira, que ficou concluída a venda de 49% do capital social de ativos de energia eólica, de 422 megawatts, localizado em Portugal, à China Three Gorges (CTG), a maior acionista da EDP, por 248 milhões de euros, valor ligeiramente mais alto que o esperado pela elétrica (242 milhões de euros), em fevereiro, altura em que o negócio foi acordado.

A transação hoje concluída “insere-se no contexto da parceria estratégica estabelecida entre a EDP e a CTG, em relação ao investimento total de dois mil milhões de euros a efetuar pela CTG (incluíndo cofinanciamento de investimento operacional) em projetos de produção de energia renovável operacionais e prontos a construir”, pode ler-se no comunicado.

As centrais eólicas foram adquiridas pela ACE Portugal, detida a 100% pelo ACE Investment Fund, uma entidade participada pela China Three Gorges Hong Kong, subsidiária integral da China Three Gorges.

 

 

Relacionadas

EDPR lucra 242 milhões de euros com venda de 49% de ativos eólicos à CGT

O perímetro da transação abrange 422 MW de tecnologia eólica, localizados em Portugal.
Recomendadas

Lei ‘Uber’ foi “aprovada por 80% dos deputados”, recorda Uber Portugal

Uber Portugal reage ao protesto dos taxistas e esclarece que lei foi aprovada por 80% dos deputados. Para a Uber, a lei que regula a atividade de TVDE traz “estabilidade e segurança jurídica” aos motoristas e utilizadores da Uber.

Cash Express quer reforçar rede no Algarve a partir do êxito de Portimão

A primeira loja desta rede em Portugal, aberta em Portimão, apresenta um crescimento significativo com uma faturação na ordem de um milhão de euros.

Oi anuncia novos membros para o Conselho de Administração

O novo Conselho de Administração da Oi conta com cinco membros novos independentes, além de seis que foram reconduzidos. Os portugueses, representantes da Pharol, ficaram de fora do ‘board’.
Comentários