Egito tortura e faz desaparecer crianças. Acusação é da Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

Flickr

O governo egípcio está a cometer “violações chocantes” contra crianças, incluindo tortura e desaparecimento forçado, denunciou hoje a Amnistia Internacional.

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

A organização não-governamental cita familiares para denunciar que as seis crianças torturadas foram vítimas de choques elétricos nos órgãos genitais e noutras partes do corpo ou foram suspensas pelos braços e pernas.

Najia Bounaim, dirigente da Amnistia Internacional, pede ao governo egípcio para libertar “todas as crianças arbitrariamente detidas”, bem como anular sentenças contra crianças emitidas por tribunais para adultos.

A Amnistia Internacional considera que o governo do Egito tem vindo a executar uma repressão sem precedentes contra dissidentes, prendendo milhares de pessoas de forma arbitrária e sem direito a julgamento.

Recomendadas

Teerão condena pedido “arrogante” dos Estados Unidos à Europa

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão classificou como odioso e arrogante o pedido norte-americano que quer levar a Europa a abandonar o acordo nuclear com Teerão.

May pede a deputados conservadores que deixem de lado “preferências pessoais”

A primeira-ministra britânica pediu aos deputados conservadores para se unirem no apoio a um acordo sobre a retirada do Reino Unido da União Europeia.

Angola está muito atraente para os investidores

Analista do centro de pesquisa norte-americano Atlantic Council considera que Angola é “um ponto brilhante” para os investidores internacionais, ao contrário do resto de África.
Comentários