Egito tortura e faz desaparecer crianças. Acusação é da Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

Flickr

O governo egípcio está a cometer “violações chocantes” contra crianças, incluindo tortura e desaparecimento forçado, denunciou hoje a Amnistia Internacional.

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

A organização não-governamental cita familiares para denunciar que as seis crianças torturadas foram vítimas de choques elétricos nos órgãos genitais e noutras partes do corpo ou foram suspensas pelos braços e pernas.

Najia Bounaim, dirigente da Amnistia Internacional, pede ao governo egípcio para libertar “todas as crianças arbitrariamente detidas”, bem como anular sentenças contra crianças emitidas por tribunais para adultos.

A Amnistia Internacional considera que o governo do Egito tem vindo a executar uma repressão sem precedentes contra dissidentes, prendendo milhares de pessoas de forma arbitrária e sem direito a julgamento.

Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários