Egito tortura e faz desaparecer crianças. Acusação é da Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

Flickr

O governo egípcio está a cometer “violações chocantes” contra crianças, incluindo tortura e desaparecimento forçado, denunciou hoje a Amnistia Internacional.

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

A organização não-governamental cita familiares para denunciar que as seis crianças torturadas foram vítimas de choques elétricos nos órgãos genitais e noutras partes do corpo ou foram suspensas pelos braços e pernas.

Najia Bounaim, dirigente da Amnistia Internacional, pede ao governo egípcio para libertar “todas as crianças arbitrariamente detidas”, bem como anular sentenças contra crianças emitidas por tribunais para adultos.

A Amnistia Internacional considera que o governo do Egito tem vindo a executar uma repressão sem precedentes contra dissidentes, prendendo milhares de pessoas de forma arbitrária e sem direito a julgamento.

Recomendadas

Revolta dos “coletes amarelos” já causou prejuízos superiores a mil milhões de euros

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, disse hoje que os protestos foram um golpe sério para as empresas e a economia da nação.

Emmanuel Macron fala aos franceses na segunda-feira

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai dirigir-se à nação na segunda-feira às 20:00 (19:00 em Lisboa), anunciou hoje o Eliseu, após o silêncio em relação às últimas manifestações dos “coletes amarelos”.

Bernard Madoff: 10 anos sobre maior esquema Ponzi da história

Considerado o autor da maior fraude de sempre, foi condenado, aos 71 anos, a 150 anos de prisão. Em tribunal, pediu desculpa aos investidores, empregados e à mulher.
Comentários