El Corte Inglés bate recorde de vendas em Portugal com 506 milhões de euros em 2018

Filial portuguesa do El Corte Inglés registou uma melhoria geral nos indicadores, obtendo lucros de 29 milhões de euros. Marcas próprias de roupa feminina e novos espaços dedicados a marcas internacionais de prestígio contribuíram para os bons resultados.

O volume de negócios da El Corte Inglés – Grandes Armazéns, filial portuguesa do grupo de grande distribuição El Corte Inglés, atingiu 506 milhões de euros no exercício de 2018, o que representa uma subida de 5,6% em relação ao anterior e permitiu estabelecer um novo recorde de faturação em Portugal.

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira em Madrid pelo Grupo El Corte Inglés, este volume de negócios da filial portuguesa no exercício de 2018 (que encerrou a 28 de fevereiro de 2019) gerou um resultado bruto de exploração de 57 milhões de euros, num crescimento de 12% em relação ao exercício anterior. E ao aumento do resultado líquido do El Corte Inglés – Grandes Armazéns para 29 milhões de euros, numa subida homóloga de 4,4 milhões de euros.

Por seu lado, os custos e as despesas de exploração em Portugal – onde a empresa tem dois centros comerciais, em Lisboa e em Vila Nova de Gaia – aumentaram 4,7%, cifrando-se em 448 milhões de euros.

Entre os motivos para o melhoria nos resultados, a empresa aponta a renovação e criação de marcas próprias de roupa feminina e a abertura de novos espaços dedicados a marcas internacionais de prestígio, bem como outros fatores, que incluíram a consolidação do Gourmet Experience em Lisboa “enquanto espaço gastronómico de eleição e de lifestyle” e a dinamização das lojas de Lisboa e Gaia-Porto através de eventos culturais diários. Só nas duas novas salas de Lisboa foram realizados mais de 90 eventos que contaram com 20 mil visitas.

Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários