Eleições podem iniciar alteração do mapa político à esquerda em Portugal – Marisa Matias

Para Marisa Matias, “não importa fazer campanhas” se é para os candidatos se ouvirem uns aos outros e “não ouvir as pessoas e não falar daquilo” que é os leva até elas.

A cabeça de lista do BE ao Parlamento Europeu, Marisa Matias, disse hoje acreditar que as eleições europeias de domingo “podem mesmo ser o início da alteração do mapa político à esquerda em Portugal”.

No discurso de encerramento da corrida eleitoral para as europeias, num jantar-comício em Coimbra para cerca de 400 pessoas, Marisa Matias, rouca e quase sem voz, falou de uma campanha que sentiu “a crescer todos os dias” porque as pessoas reconheceram que o BE está “para resolver problemas na vida das pessoas”.

“Por isso sentimos, e eu sinto, que estas eleições podem mesmo ser o início da alteração do mapa político à esquerda em Portugal”, anteviu.

A eurodeputada recandidata do BE lamentou que tantos candidatos tenham levado a estas eleições e à campanha a divisão.

“Quando procuraram todos os dias dividir, nós falamos de união porque nós temos um projeto de união para a União [Europeia]”, justificou.

As escolhas, para Marisa Matias, “estão todas em cima da mesa”.

“Sabem pelo trabalho que fizemos que, mesmo em território difícil, conseguimos mesmo melhorar a vida das pessoas”, disse.

Depois da lista de agradecimentos, a primeira candidata do BE às eleições europeias de domingo destacou algo que “alegra” toda a lista.

“É que nós conseguimos mesmo, contra todas as probabilidades, introduzir temas europeus na campanha para as eleições europeias”, destacou, dando o exemplo das alterações climáticas, injustiça fiscal, direitos laborais ou saúde pública.

Para Marisa Matias, “não importa fazer campanhas” se é para os candidatos se ouvirem uns aos outros e “não ouvir as pessoas e não falar daquilo” que é os leva até elas.

“No domingo, por favor, passem a palavra e digam às pessoas: votem em quem vos representa, vota em quem pode melhorar as vossas vidas, votem em quem vos escuta, votem em que não precisa de ter um ego gigante, só precisa de ter os ouvidos abertos e coração grande para que lá caiba tudo”, apelou.

Depois de chamar a lista ao palco, a cabeça de liste fechou com o derradeiro pedido: “no domingo votem Bloco de Esquerda”.

Ler mais
Relacionadas

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

Jerónimo de Sousa desafia militantes a levar amigos e familiares a votar

Já o cabeça de lista europeu da CDU, João Ferreira, pediu “mais um esforço” até às eleições europeias de domingo, para fazer crescer a coligação e ajudar à resolução de vários problemas no país, como a degradação de equipamentos escolares, agricultores que desistem das suas explorações, pequenos e médios empresários “esmagados” pelos poderes económicos ou a valorização de salários.

“O PS não é um partido fiável”, acusa Rui Rio

O presidente do PSD disse “ser um gosto terminar a campanha no Porto”, de onde é natural, tal como o cabeça de lista do PSD, Paulo Rangel.

Assunção Cristas faz apelo ao voto no CDS, contra o “inimigo” abstenção

Assunção Cristas fez na sexta-feira um derradeiro apelo ao voto nos centristas nas eleições europeias de domingo e elegeu a abstenção como “inimigo principal”. “Quem acredita em nós, que traga mais um ou dois para votar”, afirmou a líder centrista.
Recomendadas

CGD: Faria de Oliveira confirma que ex-gestores preparam queixa contra auditoria da EY

Queixa de ex-gestores da CGD contra a EY por causa dos alegados erros e incorreções na auditoria de gestão poderá dar entrada na CMVM, confirmou ex-presidente do banco público no Parlamento. Faria de Oliveira já tinha considerado que relatório “enviesado”, “viciado” e “descuidado”. E, diz, que antigos administradores querem “verificação da consistência” da auditoria.

Faria de Oliveira: “Banco de Portugal não questionou” CGD sobre projeto La Seda

Antigo presidente da CGD avançou no Parlamento que o banco público “não sentiu necessidade de partilhar” as preocupações quando ao crédito concedido a  à empresa catalã. Nem o Banco de Portugal questionou a Caixa sobre o assunto numa altura em que já havia indicação de problemas relativos ao crédito concedido à La Seda que resultou em perdas de 211 milhões de euro para o banco.

“Obrigação de defender estabilidade financeira” ditou decisão de não executar garantias de Berardo, diz Faria de Oliveira

A estabilidade do sistema financeiro português ditou que a  Caixa Geral de Depósitos (CGD) não tivesse executado as garantias do empréstimo dado a José Berardo (acções do BCP), rebatendo o argumento do empresário madeirense de que se a Caixa tivesse vendido as acções do BCP não tinha perdido nada na sequência do crédito de 350 milhões, apontado pela auditora EY como um dos mais ruinosos para o banco público.
Comentários