Eletricidade em Portugal entre as mais caras da União Europeia

Portugal paga a sexta eletricidade mais cara entre os estados-membros. É de destacar que as taxas e impostos e outros custos do sistema elétrico pesam 55% na fatura total dos portugueses.

A fatura da eletricidade paga pelos portugueses encontra-se entre as mais caras da União Europeia. Portugal conta com a sexta conta mensal da luz mais cara, segundo os dados do Eurostat divulgados pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) esta terça-feira, 21 de maio

O ranking dos preços médios de eletricidade para os consumidores domésticos, incluindo preços com impostos, é liderado pela Alemanha, seguida pela Dinamarca e Bélgica. Segue-se a Espanha e a Bélgica, com Portugal na sexta posição. Os países onde os preços são mais baratos são a Bulgária, Lituânia, Hungria, Roménia, Croácia e Estónia.

“Os preços praticados em Portugal são superiores aos preços médios dos 19 países da Euro Área (EA19) e dos 28 países da União Europeia (UE28), mas inferiores aos preços de Espanha. É ainda possível constatar-se que é nos países do leste da Europa que se verificam os preços mais baixos”, segundo o relatório do regulador com dados do Eurostat.

É de destacar que as taxas e impostos e outros custos do sistema elétrico pesam 55% na fatura total dos portugueses. “A componente de taxas e impostos, que de acordo com o Regulamento Europeu integra os CIEG, apresenta para Portugal um peso de 55% do preço total pago pelos consumidores. Os CIEG, que integram esta
componente de taxas e impostos, representam para Portugal cerca de 36% do preço total pago pelos
consumidores. Para os restantes países da União Europeia não é possível identificar esta componente de forma
desagregada das taxas e impostos, uma vez que o Eurostat não publica essa informação”, aponta a ERSE.

O que é que um consumidor português paga quando paga a fatura da luz? Do total, 23% corresponde a energia; as redes pesam um total de 22%; os CIEG pesam 36%; as taxas e impostos pesam 19%.

Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários