Elisa Ferreira: Portugal terá em sete anos 40 mil milhões de euros através dos fundos

A comissária europeia Elisa Ferreira apontou hoje que Portugal terá, durante sete anos, um volume de financiamentos de 40.000 milhões de euros, através de instrumentos como o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e o Portugal 2020 e 2030.

Cristina Bernardo

“Portugal vai dispor, nos próximos sete anos, de um volume financeiro de 40.000 milhões de euros”, afirmou Elisa Ferreira, numa mensagem transmitida na abertura do debate PRR: “Potenciar os efeitos dos fundos europeus na economia nacional”, organizado pelo Fórum para a Competitividade, que decorre no Centro de Congressos de Lisboa.

Em causa, segundo a comissária para a Coesão e Reformas, estão cerca de 14.000 milhões de euros em subvenções no âmbito do PRR, a que se pode somar um montante equivalente caso o país recorra aos empréstimos, mais um reforço de 2.000 milhões de euros efetuado ao abrigo do programa Portugal 2020, bem como 24.000 milhões de euros de financiamento europeu disponível no Portugal 2030.

A par disto, estarão ainda disponíveis fundos para a agricultura e instrumentos como a Europa Digital ou o Horizonte 2020.

“São montantes substanciais que ficam à disposição durante a próxima década. Os fundos não são o fim, mas um meio que deve ser disposto ao serviço de uma visão e estratégia de desenvolvimento”, considerou.

Elisa Ferreira sublinhou ainda que a pandemia de covid-19 provocou um “choque enorme” nas “vidas e na economia e competitividade”, acrescentando que os dados do primeiro semestre são “animadores”, embora não representem a recuperação necessária.

Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários