Em 2040, a Rolls-Royce só terá motores elétricos

A Roll-Royce planeia começar a produzir automóveis elétricos em exclusivo em 2040 e desta forma, a marca britânica compromete-se em dizer adeus em definitivo aos motores de combustão numa das marcas mais luxuosas do mundo.

Em 2028, a Rolls-Royce vai “mudar de vida” uma vez que a empresa pretende introduzir o seu primeiro carro elétrico nesse ano. Para as próximas décadas, a mítica marca de automóveis de luxo vai retirar progressivamente os restantes motores do mercado.

A Roll-Royce planeia começar a produzir automóveis elétricos em exclusivo em 2040 e desta forma, a marca britânica compromete-se em dizer adeus em definitivo aos motores de combustão numa das marcas mais luxuosas do mundo.

O fabricante, cujos modelos incluem atualmente motores a gasolina de 12 cilindros, vai apenas desenvolver motores elétricos a partir de 2040 para cumprir com as mudanças da norma internacional, tal como anunciado pelo conselheiro-delegado marca em entrevista ao Financial Times.

De facto, o Reino Unido e a França comprometeram-se a proibir os modelos não elétricos a partir de 2040; um dos responsáveis da Rolls-Royce assegura que outros mercados como os EUA e o Médio Oriente vão seguir o exemplo.

Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários