Em quatro anos, “nem o diabo apareceu, nem a austeridade se disfarçou”, diz Costa

No último debate da legislatura, o líder do Executivo socialista diz que Portugal tem hoje “o défice mais baixo da história da democracia”, ao mesmo tempo que o financiamento público aumentou 45%, em comparação com a legislatura anterior.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta quarta-feira que os últimos quatro anos de legislatura foram um “virar da página da austeridade”e lançou “as bases do futuro”. No último debate da legislatura, o líder do Executivo disse que Portugal tem hoje “o défice mais baixo da história da democracia”, ao mesmo tempo que o financiamento público aumentou 45%, em comparação com a legislatura anterior.

“Nem o diabo apareceu, nem a austeridade se disfarçou”, afirmou António Costa, no debate do Estado da Nação. “Foram quatro anos a cumprir passo a passo os compromissos com os portugueses. Cumprimos o que prometemos e temos resultados. Atingimos o défice mais baixo da história da nossa democracia, ao mesmo tempo que o financiamento público aumentou 45%. Provámos que era possível fazer diferente”.

António Costa defendeu que esta “não foi só uma legislatura para reparar o passado e a cuidar do presente”, mas uma legislatura a lançar “as bases do futuro”. O líder socialista diz que, apesar de “o país estar melhor do que estava há quatro anos”, “não vivemos num oásis, nem num país cor de rosa” e ainda há problemas que continuam por resolver, apesar de o Governo ter iniciado o caminho. É o caso do emprego, ação social escolar e justiça, exemplificou António Costa.

“Portugal está melhor do que estava há quatro anos. Os portugueses recuperaram a confiança no futuro. A esperança baseada nas bases sólidas que temos vindo a construir e na certeza de que podemos continuar a fazer mais e melhor. Como primeiro-ministro partilho a tranquilidade da consciência com o desassossego da vontade. Sou um cidadão português muito orgulhoso do seu país”, concluiu.

Recomendadas

Estado da Nação: O que aconteceu no último debate da legislatura

No último debate da legislatura, o Governo e os diferentes partidos traçaram uma “radiografia” aos quatro anos de governação socialista. Dos elogios às críticas da “farsa narrativa” e ao “país cor-de-rosa” de António Costa, saiba o que foi dito no debate do Estado da Nação.

Mário Centeno faz elogio da “legislatura da confiança, do emprego e das contas certas”

Ministro das Finanças agradeceu aos parceiros da ‘geringonça’ e elogiou a obra do Governo, por entre muitas críticas à oposição e garantias de que ocorreu “o maior reforço dos serviços públicos na última década”.

Vieira da Silva aponta reforço de 1,3 mil milhões de euros do fundo de Segurança Social até fim do ano

“Saber que é hoje possível afirmar com segurança que, até final do ano, será possível reforçar o fundo em mais de 1,3 mil milhões de euros é um sinal acrescido de confiança em todos nós”, afirmou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, numa intervenção no debate do estado da nação.
Comentários