EMA prevê recomendação sobre vacina da Pfizer em crianças no final do ano

“A nossa recomendação é esperada dentro de dois meses, mas informação ou análise suplementar poderá ser necessária”, afirmou o responsável da instituição para a Estratégia de Ameaças Biológicas para a Saúde e Vacinas, Marco Cavaleri.

A decisão da Agência Europeia do Medicamento (EMA) sobre a administração da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech em crianças entre os 5 e os 11 anos apenas deve ser conhecida no final do ano.

“A proposta assenta numa dose três vezes mais baixa do que a dose aprovada para adultos. O calendário proposto para esta administração é de manter as duas doses separadas por pelo menos três semanas. A nossa recomendação é esperada dentro de dois meses, mas informação ou análise suplementar poderá ser necessária”, afirmou o responsável da instituição para a Estratégia de Ameaças Biológicas para a Saúde e Vacinas, Marco Cavaleri.

O prazo para o anúncio de uma recomendação sobre esta vacina (Comirnaty) surgiu numa conferência de imprensa realizada hoje em Amesterdão, nos Países Baixos, apenas três dias depois de a EMA ter revelado o arranque do processo de avaliação da administração da vacina neste grupo etário. Até agora, a utilização da vacina da Pfizer/BioNTech está somente autorizada para pessoas com pelo menos 12 anos de idade.

Paralelamente, Marco Cavaleri adiantou também que estão a ser gerados dados sobre a vacinação contra a covid-19 em crianças entre os 5 e os 11 anos para a vacina Spikevax (Moderna) e que a EMA “está a discutir o potencial ‘timing’ de candidatura para a administração no futuro”, antecipando mais informações sobre este tema nas próximas semanas.

A covid-19 provocou pelo menos 4.910.200 mortes em todo o mundo, entre mais de 241,48 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Recomendadas

Farmácias fazem “tudo o que é humanamente possível” face à procura de testes

Segundo disse Ema Paulino à Lusa, na terça-feira as farmácias portuguesas realizaram 47.500 testes de antigénio, quando na sexta-feira anterior foram feitos cerca de 30.500 despistes do coronavírus.

Já foram multados 152 passageiros e 10 companhias nas fronteiras aéreas por falta de teste

Os dados do MAI avançam também que pelo menos 10 companhias aéreas foram multadas por terem transportado passageiros sem teste negativo à covid-19 ou certificado de recuperação, condições obrigatórias desde quarta-feira para entrar em Portugal continental através das fronteiras aéreas.

Câmara de Lisboa diz que ministra da Saúde tem de “pôr ordem” na vacinação

“A ministra tem de pôr a casa em ordem, tem de pôr os serviços de saúde em ordem e a funcionarem bem, coisa que não está a acontecer”, disse Ângelo Pereira, à margem de uma iniciativa a propósito do Dia Internacional de Pessoa com Deficiência.
Comentários