Embaixada dos EUA em Lisboa pede reforço policial até 4 de julho

Norte-americanos elevaram o nível de segurança e pretendem que o reforço policial dure até ao dia do feriado nacional dos EUA.

Roubo de munições na base militar de tancos levou a embaixada dos Estados Unidos da América em Lisboa a elevar o nível de segurança e a manté-lo pelo menos até 4 de julho, o que implica um reforço de policiamento, noticia a SIC Notícias.

Roubo “é um facto grave”

“Evidentemente é um facto grave, não vale a pena estar a desvalorizar esse facto. É sempre grave quando instalações militares são objeto de ação criminosa tendente ao furto justamente de material militar”, para mais quando “não foi roubada uma pistola, não foram roubadas duas, foram roubadas granadas”, disse Azeredo Lopes.

O ministro, que falava aos jornalistas à margem de uma reunião ministerial da NATO, em Bruxelas, disse que, “evidentemente”, Portugal vai informar os seus parceiros do ocorrido, e garantiu que, paralelamente às investigações já em curso — “a questão ficou Imediatamente sob alçada da Polícia Judiciária militar e da Polícia Judiciária, e a partir de agora das diferentes instâncias de investigação criminal”, apontou -, a questão da segurança do material militar será assunto de debate com as chefias militares.

Recomendadas

Táxis: Profissionais preparam-se para continuar protesto por tempo indeterminado

Os taxistas têm estado concentrados em Lisboa, Porto e Faro, com as viaturas paradas nas ruas, para tentar impedir a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Lei ‘Uber’ foi “aprovada por 80% dos deputados”, recorda Uber Portugal

Uber Portugal reage ao protesto dos taxistas e esclarece que lei foi aprovada por 80% dos deputados. Para a Uber, a lei que regula a atividade de TVDE traz “estabilidade e segurança jurídica” aos motoristas e utilizadores da Uber.

Universidade do Porto proíbe praxes que “atentem contra a dignidade”

O novo reitor emitiu um despacho ameaçando de expulsão os alunos que perpetuarem atos contrários aos regulamentos. A Universidade já antes tinha assumido esta postura, que se vai multiplicando em todo o país.
Comentários