EMEL investiu 870 mil euros na compra de 730 novas bicicletas elétricas para a rede partilhada Gira

A entrega das primeiras bicicletas elétricas, cerca de 400 bicicletas, está prevista até ao final de dezembro, devendo as restantes chegar ao longo do primeiro trimestre de 2021.

A EMEL – Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa investiu cerca de 870 mil euros na aquisição de mais 730 bicicletas elétricas para reforçar a rede partilhada Gira, na cidade de Lisboa.

“No seguimento do concurso público internacional, a EMEL adjudicou a compra de 730 novas bicicletas elétricas para reforçar sistema da rede de bicicletas partilhadas de Lisboa, Gira, ao consórcio MEO/Soltráfego, pelo valor de 1.191 euros a unidade, perfazendo um total de 869.430,00 euros”, revela um comunicado da empresa municipal da Câmara de Lisboa.

Segundo esse comunicado, “a entrega das primeiras bicicletas elétricas, cerca de 400 bicicletas, está prevista até ao final de dezembro, devendo as restantes chegar ao longo do primeiro trimestre de 2021”.

Os responsáveis da EMEL recordam que a manutenção de todo o ‘Sistema de Bicicletas Partilhadas Públicas (Bicicletas e Estações)’ é, desde maio, assegurada por esta empresa.

“A EMEL acredita que a Gira é cada vez mais uma peça essencial para a transformação do panorama da mobilidade em Lisboa, permitindo a residentes e a quem se movimenta na capital fazer as suas deslocações em segurança e sem ‘stress’, ao mesmo tempo contribui para uma cidade e um país mais sustentáveis”, conclui o comunicado da EMEL.

 

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários