PremiumEmpresa de estiva de Lisboa à beira da falência

Estudo da consultora EY traça um futuro negro para a empresa detida pelos operadores portuários da capital e considera que a AETPL só sobreviverá se baixar os salários dos estivadores para o nível dos de Leixões. Mais contestação à vista.

A AETPL – Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa, responsável pela contratação dos estivadores que operam no porto de Lisboa, está em situação de insolvência iminente, conclui um estudo de viabilidade económico-financeira da empresa e análise de opções para o futuro, elaborado pela consultora EY, a que o Jornal Económico teve acesso. Este estudo, datado de 30 de outubro passado, já foi entregue aos diversos associados da AETPL.

A EY traçou três cenários de desenvolvimento para a empresa que contrata os estivadores para o porto de Lisboa e chegou à conclusão que, apenas num deles, a AETPL terá futuro económico-financeiro possível, desde que aplique as tabelas salariais em prática no porto de Leixões, inferiores às atualmente  xistentes no porto da capital.

Segundo o estudo da consultora, a AETPL registou um volume de faturação de 5,9 milhões de euros em 2017, tendo apresentado um EBITDA negativo de 170 mil euros, depois de ter canalizado 5,8 milhões de euros para gastos com o pessoal.  O primeiro cenário em análise pela EY pressupôs uma alteração do pricing da AETPL através do aumento de 5% das tarifas cobradas aos sócios pela prestação do serviço de trabalho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários