PremiumEmpresa de estiva de Lisboa à beira da falência

Estudo da consultora EY traça um futuro negro para a empresa detida pelos operadores portuários da capital e considera que a AETPL só sobreviverá se baixar os salários dos estivadores para o nível dos de Leixões. Mais contestação à vista.

A AETPL – Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa, responsável pela contratação dos estivadores que operam no porto de Lisboa, está em situação de insolvência iminente, conclui um estudo de viabilidade económico-financeira da empresa e análise de opções para o futuro, elaborado pela consultora EY, a que o Jornal Económico teve acesso. Este estudo, datado de 30 de outubro passado, já foi entregue aos diversos associados da AETPL.

A EY traçou três cenários de desenvolvimento para a empresa que contrata os estivadores para o porto de Lisboa e chegou à conclusão que, apenas num deles, a AETPL terá futuro económico-financeiro possível, desde que aplique as tabelas salariais em prática no porto de Leixões, inferiores às atualmente  xistentes no porto da capital.

Segundo o estudo da consultora, a AETPL registou um volume de faturação de 5,9 milhões de euros em 2017, tendo apresentado um EBITDA negativo de 170 mil euros, depois de ter canalizado 5,8 milhões de euros para gastos com o pessoal.  O primeiro cenário em análise pela EY pressupôs uma alteração do pricing da AETPL através do aumento de 5% das tarifas cobradas aos sócios pela prestação do serviço de trabalho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Governos ignoraram alerta do ROC sobre risco de “fraudes” na Caixa

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.

Dono da Toys “R” Us Iberia quer entrar na bolsa de Paris

A portuguesa Green Swan, do investidor Paulo Andrez, é um dos principais ‘players’ do mercado europeu de brinquedos e, em 2018, faturou uma média de um milhão de euros por dia. Se atingir os 500 milhões anuais tenciona entrar na bolsa de Paris.

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.
Comentários