Empresa de exploração de petróleo já teve 202 milhões de euros em apoios fiscais

A empresa tem vindo a encabeçar a lista das sociedades com maiores benefícios fiscais de IRC, por estar sediada na zona de negócios da Madeira.

REUTERS/Nick Oxford

A Saipem Portugal Comércio Marítimo, dona do navio perfurador que vai realizar em setembro a primeira sondagem petrolífera em águas portuguesas, já teve 202 milhões de euros em apoios fiscais desde 2010. A empresa tem vindo a encabeçar a lista das sociedades com maiores benefícios fiscais de IRC, por estar sediada na zona de negócios da Madeira, avança o jornal “Público”.

Os dados da Autoridade Tributária mostram que o ano de 2014 foi aquele em que a empresa conseguiu reunir o maior volume de benefícios fiscais. Ao todo, a empresa invocou  53 milhões de euros entre deduções à coleta de IRC e reduções de taxa do imposto. Em 2016, o último ano de que há estatísticas disponíveis, a Saipem Portugal Comércio Marítimo foi a segunda empresa que mais teve benefícios fiscais, apenas superada por uma sociedade do universo EDP (a EDP – Gestão da Produção de Energia, que teve 36,4 milhões de euros).

Os benefícios fiscais alcançados pela empresa devem-se ao facto de esta estar sediada no Centro Internacional de Negócios da Madeira. Tendo em conta esta situação, a Saipem Portugal Comércio Marítimo pode invocar as regras estabelecidas no Estatuto dos Benefícios Fiscais para as entidades licenciadas nas zonas francas portuguesas, o que lhe permite várias vantagens na hora de pagar IRC.

A empresa é liderada pelo consórcio da Eni, que tem o Estado italiano como principal acionista, com a petrolífera Galp. Esta última detém 30,54% do capital, sendo a maior acionista da Saipem Spa e controlando indiretamente a Saipem Portugal Comércio Marítimo. Em 2016, a empresa registou um volume de vendas de 1182 milhões de euros e um resultado bruto de exploração de 436 milhões de euros. Só 0,21% dos 560 milhões de euros em compras tiveram origem no mercado nacional.

Recomendadas

Trabalhadores da TSF ameaçam com greve se Global Media não esclarecer reestruturação do grupo

Os trabalhadores da rádio TSF ameaçaram recorrer à greve se a administração da Global Media não esclarecer dentro de dez dias questões relacionadas com a anunciada reestruturação do grupo.

PremiumGuestReady gere alojamentos no valor de 51 milhões em Portugal

Empresa de gestão de alojamentos locais gere imóveis avaliados em mais de mil milhões de euros. É preciso pensar em grande”, diz o fundador.

PremiumCTO da Altice Portugal: “A IA vai ser fundamental para o nosso negócio”

Luís Alveirinho, o Chief Technology Officer (CTO) da Altice Portugal, falou ao Jornal Económico sobre os grandes investimentos da operadora e da comercialização do 5G em Portugal.
Comentários