Empresa não contrata portuguesas por serem “depressivas e infelizes com a vida”

A Comissão para a Igualdade do Trabalho adianta que vai tomar medidas.

Há um anúncio que está a intrigar as mulheres portuguesas que procuram trabalho. Uma empresa registada em Cascais publicou ofertas de emprego só a pessoas do sexo feminino e para alguém que soubesse escrever, apresentar e trabalhar em moda ou apresentação, mas com a condicionante de que não poderiam ser portuguesas.

Porquê? “As portuguesas em geral são pessoas depressivas, infelizes com a vida”, explicou o titular da empresa de serviços informáticos em questão, Heinrich Pereira, ao jornal Público, que avançou a notícia desta vaga de emprego – no mínimo – peculiar.

O responsável pela firma esclareceu ainda ao diário que, tendo em conta que o trabalho se destina ao público feminino, a mulher é a melhor pessoa para comunicar para eles. Porém, não podem ser de nacionalidade portuguesa, conforme se explicava previamente no anúncio em causa: “Procuramos pessoas descontraídas e bem-humoradas. A preferência é por brasileiras ou por nacionalidades igualmente alegres, dispensamos portuguesas”.

A tarefa que os candidatos vão desenvolver será para divulgação na Internet e vai centrar-se e,  “criar conteúdo para web nas áreas da moda, jogos, comportamento, sexo, consumo, séries de TV, etc., sempre voltados para o universo femininos”, refere também a curiosa oferta de emprego, citada pelo matutino desta sexta-feira.

Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários