Empresários portugueses otimistas com exportações mas temem o Brexit

Empresas perspetivam aumento nominal de 4,3% nas exportações de bens em 2019, revelou o Instituto Nacional de Estatística. A perspetiva das empresas revela uma desaceleração face à previsão de 2018.

Aly Song/Reuters

As exportações de bens em 2019 deverão crescer 4,3% em 2019, de acordo com as perspetivas das empresas exportadoras para este ano, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Embora os empresários revelem otimismo com o crescimento, os dados do INE apontam para uma desaceleração face às perspetivas indicadas pelas empresas para 2018.

As empresas exportadoras de bens prevêem um crescimento em 2019 face ao ano anterior, sendo que, excluindo o segmento dos combustíveis e lubrificantes o aumento esperado é de 4,4% em 2019. Os valores divulgados pelo INE comparam com as mesmas perspetivas de 2018, quando os empresários previram um crescimento de 6,4% (7,1% excluindo combustíveis e lubrificantes).

A desaceleração, indica o gabinete de estatística português, está relacionada com o efeito da saída do Reino Unido da União Europeia. Há 17% das empresas portuguesas que “antecipam um impacto negativo nas suas exportações” com base no Brexit.

 

Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários