Empresários portugueses otimistas com exportações mas temem o Brexit

Empresas perspetivam aumento nominal de 4,3% nas exportações de bens em 2019, revelou o Instituto Nacional de Estatística. A perspetiva das empresas revela uma desaceleração face à previsão de 2018.

Aly Song/Reuters

As exportações de bens em 2019 deverão crescer 4,3% em 2019, de acordo com as perspetivas das empresas exportadoras para este ano, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Embora os empresários revelem otimismo com o crescimento, os dados do INE apontam para uma desaceleração face às perspetivas indicadas pelas empresas para 2018.

As empresas exportadoras de bens prevêem um crescimento em 2019 face ao ano anterior, sendo que, excluindo o segmento dos combustíveis e lubrificantes o aumento esperado é de 4,4% em 2019. Os valores divulgados pelo INE comparam com as mesmas perspetivas de 2018, quando os empresários previram um crescimento de 6,4% (7,1% excluindo combustíveis e lubrificantes).

A desaceleração, indica o gabinete de estatística português, está relacionada com o efeito da saída do Reino Unido da União Europeia. Há 17% das empresas portuguesas que “antecipam um impacto negativo nas suas exportações” com base no Brexit.

 

Recomendadas

Costa sobre transportes públicos: “Estamos a vir do fundo dos infernos”

“Nós estamos a vir do fundo dos infernos relativamente ao sistema de transportes públicos”, disse o chefe de Governo durante o debate quinzenal, em resposta ao Partido Ecologista “Os Verdes”.

Miguel Geraldes vai ser diretor-geral da Unitel

Miguel Geraldes vem da representação na África do Sul da empresa chinesa Huawei, tendo também ocupado, durante nove anos, a posição de Managing Director da MTC Namibia, a operadora telecomunicações namibiana.

Isabel dos Santos reeleita para conselho de administração da angolana Unitel

No comunicado é indicado que o novo conselho de administração, que integra mais quatro nomes – Amílcar Safeca, Miguel Geraldes, João Boa Quipipa e Luiz Rosa -, entrará em funções até 06 de maio, com o presidente a ser eleito na primeira reunião, nos termos previstos da lei.
Comentários