Empresários portugueses otimistas com exportações mas temem o Brexit

Empresas perspetivam aumento nominal de 4,3% nas exportações de bens em 2019, revelou o Instituto Nacional de Estatística. A perspetiva das empresas revela uma desaceleração face à previsão de 2018.

Aly Song/Reuters

As exportações de bens em 2019 deverão crescer 4,3% em 2019, de acordo com as perspetivas das empresas exportadoras para este ano, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Embora os empresários revelem otimismo com o crescimento, os dados do INE apontam para uma desaceleração face às perspetivas indicadas pelas empresas para 2018.

As empresas exportadoras de bens prevêem um crescimento em 2019 face ao ano anterior, sendo que, excluindo o segmento dos combustíveis e lubrificantes o aumento esperado é de 4,4% em 2019. Os valores divulgados pelo INE comparam com as mesmas perspetivas de 2018, quando os empresários previram um crescimento de 6,4% (7,1% excluindo combustíveis e lubrificantes).

A desaceleração, indica o gabinete de estatística português, está relacionada com o efeito da saída do Reino Unido da União Europeia. Há 17% das empresas portuguesas que “antecipam um impacto negativo nas suas exportações” com base no Brexit.

 

Recomendadas

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.

Produção no setor da construção cresce mais em Portugal do que na UE em junho

Em junho deste ano em comparação com o mês homólogo do ano passado, a produção média no setor da construção subiu 1% na zona euro e 0,6% na UE. Em Portugal, a subida foi maior, de 1,4%.

Continente e Madeira em risco muito elevado de exposição aos raios UV

Dezassete distritos de Portugal continental e o arquipélago da Madeira apresentam hoje um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).
Comentários