Empresários portugueses procuram negócios na Austrália e Nova Zelândia

AEP relembra que a economia australiana cresce consecutivamente há 27 anos, é a única da OCDE que não entrou em recessão, e registou entre 2013 e 2017 um crescimento médio do PIB de 2,4%.

Sidney (Austrália, Ocêania)

A AEP – Associação Empresarial de Portugal está a acompanhar a segunda missão empresarial a à Austrália, tendo a primeira ocorrido em 2017.

“A missão, que decorre entre 29 de novembro e 7 de dezembro, aproveita a proximidade geográfica e a forte ligação entre os dois mercados e inclui uma extensão à Nova Zelândia, onde a AEP irá estar pela primeira vez. Grande parte das empresas dos dois países tem sede na Austrália, pelo que a ida ao mercado neozelandês terá como objetivo, além de reuniões com empresas locais, conhecer os principais ‘players’ na área de retalho, através de ‘tours’ pelas principais zonas de comércio”, salienta um comunicado da AEP.

Essa nota relembra que a economia australiana cresce consecutivamente há 27 anos, é a única da OCDE que não entrou em recessão, e que registou entre 2013 e 2017 um crescimento médio do PIB de 2,4%.

“A economia australiana é uma das 15 maiores economias a nível mundial, contribuindo para isso os abundantes recursos naturais e uma população com elevado poder de compra. Para além das oportunidades existentes no mercado australiano, composto por 24 milhões de habitantes, o mercado australiano é uma ponte de acesso aos mercados do sudeste asiático”, destaca o referido comunicado.

Segundo a AEP, as empresas que fazem parte da comitiva são Lumatex (têxteis-lar), Balanças Marques (balanças industriais), B Sousa Dias (têxteis-lar) e Rosários 4 (produção de fio de ‘tricot’, ‘crochet’ e Arraiolos).

Esta missão empresarial integra-se no projeto ‘BOW – Business on the Way’ desenvolvido pela AEP Internacional, no âmbito do Portugal 2020 e do Compete 2020, Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, Eixo II – Projetos Conjuntos – Internacionalização.

“Para 2019, a AEP tem um ambicioso programa para a internacionalização das empresas portuguesas, que conta com 45 ações (23 feiras, 20 missões empresariais e 2 missões empresariais inversas) em 44 mercados”, garante o referido comunicado.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários