Empresas britânicas descontentes com negociações de Espanha sobre o Brexit

Empresas inglesas com investimentos em Espanha consideram que o Governo de Pedro Sánchez não está a fazer todos os esforços para influenciar as negociações do Brexit.

Mais de metade das empresas britânicas (51%) estão descontentes com o método de negociação do governo espanhol em relação ao Brexit. Os grupos ingleses com investimentos em Espanha consideram que o líder do governo de Espanha, Pedro Sánchez, não está a fazer os esforços suficientes para influenciar as negociações, segundo revela o jornal “Expansíon” esta sexta-feira.

As empresas inglesas reivindicam que Espanha não está a ter em conta os seus pontos de vista, nem das próprias congéneres espanholas com interesse no Reino Unido, naquilo que poderá ser o impacto do Brexit sobre as empresas.

Os executivos britânicos acreditam que os aspetos mais importantes a serem respeitados nas negociações devem ser a mobilidade geográfica, o livre comércio de bens e serviços, a livre movimentação de capital e os compromissos financeiros.

Isto porque o relacionamento com as administrações públicas é a terceira maior fraqueza do cenário empresarial espanhol, com uma pontuação de 2,9 numa escala de 5. Entre janeiro e agosto, o Reino Unido caiu para o quinto lugar como o destino das exportações espanholas, sendo que em 2017 ocupava a primeira posição.

No entanto, 82% das empresas britânicas referem que vão manter e aumentar os investimentos em Espanha, apesar do Brexit e 49% pretendem seguir a mesma tendência em menos de seis meses.

Recomendadas

Maioria dos comerciantes europeus desconhece padrões de pagamento que chegam em setembro

Um estudo da Mastercard, realizado entre setembro e novembro de 2018, concluiu que 75% dos comerciantes com lojas online não sabe o que é a SCA (Strong Costumer Authentication), obrigatória no âmbito da nova Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2).

Cinco bancos angolanos lucraram 42 milhões de euros até dezembro

Banco Comercial do Huambo (BCH) e Banco Comercial Angolano (BCA) registaram os maiores lucros.

Ryanair revê em baixa previsão de lucros

A empresa liderada por Michael O’Leary atribuiu a revisão em baixa das previsões às greves convocadas pelos trabalhadores em vários países europeus durante o último verão.
Comentários