Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

O presidente da Associação das Empresas do Vinho do Porto (AEVP) congratulou-se hoje com a devolução ao parlamento do diploma sobre a Casa do Douro, argumentando que se deve dar “liberdade associativa” aos viticultores.

António Saraiva reagia, em declarações à Lusa, ao anúncio, no sábado, de que o Presidente da República decidiu devolver o diploma que restitui a Casa do Douro como associação pública e aprova os seus estatutos, pedindo uma “reflexão adicional”.

Para o presidente da AEVP, Marcelo Rebelo de Sousa “mostrou que é uma pessoa ponderada e de bom senso” ao devolver a legislação ao parlamento, uma vez que “se deve dar a quem é viticultor a liberdade associativa”.

A Assembleia da República aprovou a 5 de abril um projeto de lei conjunto do PS, BE, PCP e PEV que restaura a Casa do Douro como associação pública de inscrição obrigatória e reverte a posse do edifício-sede, em Peso da Régua, distrito de Vila Real, para a nova associação a ser criada.

“A região é que tem de decidir como é que se quer fazer representar”, afirmou António Saraiva, acusando os deputados de aprovarem um diploma “sem falarem” com os produtores e os comerciantes de vinho.

A legislação foi contestada pelos representantes das áreas da produção e do comércio no conselho interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto.

Os 22 conselheiros que representam as duas profissões com assento no órgão de gestão da região aprovaram por unanimidade um documento de repúdio do diploma e solicitaram ao Presidente da República a “sua não promulgação, por vícios de inconstitucionalidade e por criação de entorses insanáveis e prejudiciais na Região Demarcada do Douro”.

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Ler mais
Recomendadas

Circulação do Jornal Económico dispara 70% até abril

A circulação total do Jornal Económico atingiu o valor mais elevado de sempre no segundo bimestre de 2019, com uma subida de 70% para uma média de 9.556 exemplares por edição, nos suportes em papel e digital, segundo os dados hoje divulgados pela Associação Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação (APCT). Obrigado pela sua preferência!

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Capital Airlines retoma voo direto entre China e Portugal 

A Capital Airlines vai retomar, no final de agosto, o voo entre Pequim e Lisboa, com uma paragem técnica em Xi’an, no noroeste da China, confirmou esta quinta-feira a companhia aérea chinesa à agência Lusa. Segundo fonte da empresa, a Administração da Aviação Civil da China já autorizou o voo, que arranca a 30 de […]
Comentários