Empresas portuguesas estão ‘offline’ no investimento publicitário ‘online’

Apenas 15% das empresas em Portugal recorreram à publicidade em linha em 2016, o segundo valor mais baixo da União Europeia (UE), apenas à frente da Roménia (12%). Dados são da Eurostat.

O estudo do gabinete oficial de estatísticas da UE sobre a utilização da publicidade na Internet pelas empresas revela que, em média, 77% das empresas nos 28 Estados-membros (com mais de 10 trabalhadores) têm um sítio de Internet, 45% utilizam as redes sociais e 25% recorrem à publicidade ‘online’, apresentando Portugal resultados abaixo da média comunitária nos três casos.

Em Portugal, 64% das empresas têm o seu sítio de Internet, 44% utilizam as redes sociais e somente 15% fazem publicidade em linha.

As proporções mais altas de empresas que recorrem à publicidade na Internet foram registadas em Malta (46%), Suécia (42%) e Dinamarca (40%), sendo que o tipo de publicidade ‘online’ mais procurado pelas empresas, na generalidade da União, é a chamada publicidade contextual, ou seja, a utilização de informações provenientes do conteúdo das páginas de Internet visitadas pelos internautas ou as palavras-chave introduzidas por estes nas suas buscas.

Recomendadas

Governo: Portugal é o sétimo país da Europa que realiza mais testes

Secretário de Estado da Saúde disse que o país está a realizar testes para o novo coronavírus em 83 mil pessoas por milhão de habitantes.
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva não vai ser remunerado para coordenar programa de recuperação do Governo

O gestor já foi oficialmente nomeado para preparar o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030.

Bruxelas lança segunda fase da consulta aos parceiros sociais sobre “salário mínimo justo”

O objetivo é avançar depois de setembro para as negociações entre os parceiros sociais para a “celebração de um acordo” nos termos previstos nos Tratados ou a apresentação de uma proposta pelo executivo comunitário. Entre os objetivos está a eliminação ou limitação das variações e isenções ao salário mínimo.
Comentários