Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.

Jason Reed/Reuters

A Câmara de Comércio de Sotavento (CCS) classifica de “grande iniciativa” a realização do Cabo Verde Investment Forum (CVIF) e espera que o setor privado consiga mobilizar financiamento para os seus projetos.

O secretário-geral da CCS, José Luís Neves, disse que o setor privado já está preparado, esperando que esse evento, marcado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho, consiga mobilizar financiamento não só para grandes como também para pequenos e médios projectos.

“As nossas expectativas são enormes. Nós vamos estar durante três dias juntamente com o setor público, mas também com instituições financeiras nacionais e internacionais e através do B2B poder dialogar e analisar, apresentar projetos e analisar possibilidades de parcerias financeiras com as instituições financeiras internacionais para mobilizarmos o financiamento para grandes projetos estruturantes para o país, mas também para médios e pequenos projectos”, disse.

José Luís Neves, que falava aos jornalistas na sequência da formação para o reforço da capacitação do sector privado na norma ISO 9001, lembrou que a questão do acesso ao financiamento é um dos grandes desafios para tecido empresarial cabo-verdiano.

“Pese embora todas as medidas que têm sido tomadas pelo governo para a criação de mecanismos que facilitem o acesso ao financiamento, a verdade é que a questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, argumentou.

Para José Luís Neves, “é difícil conseguir o acesso ao financiamento, e quando se consegue é com uma taxa de juro extremamente elevada que acaba por muitas vezes por inviabilizar os projectos de investimentos”.

Nesta primeira edição, ano 2019, o Cabo Verde Investment Forum conta com importantes parceiros como o Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento, Cooperação Luxemburguesa em Cabo Verde, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e União Europeia.

O principal objectivo deste evento é acelerar os investimentos dos sectores financeiros (privado e público) e dos investidores privados na implementação de projectos catalisadores que conduzam ao crescimento económico sustentável e à criação de emprego em Cabo Verde.

Igualmente, o Governo quer promover Cabo Verde como um destino de investimento e negócio em áreas como o turismo, infra-estruturas, energias renováveis, economia marítima, indústrias criativas, agro-negócio e tecnologias de comunicação.

O fórum tem o alto patrocínio do gabinete do primeiro-ministro e é organizado em parceria com a Bolsa de Valores, o sector privado nacional, através da Câmara de Comércio do Norte, a Câmara de Sotavento de Cabo Verde e a Câmara de Turismo de Cabo Verde.

Espera-se a participação de mais de 300 pessoas no CVIF, incluindo, promotores e investidores. Homens e mulheres de negócios, decisores de alto nível da indústria e sectores produtivos, comércio, serviços e finanças, representantes do sector privado, presidentes, CEO, executivos financeiros, membros de governos, organizações internacionais e empresas internacionais também estarão presentes no evento.

Ler mais
Recomendadas

FMI aprova instrumento para apoiar Cabo Verde nas reformas

O novo Instrumento de Coordenação de Políticas do Fundo Monetário Internacional estará a funcionar entre julho de 2019 a janeiro de 2021.

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.
Comentários