Energias renováveis asseguraram 49 % da produção nacional nos dois primeiros meses de 2018

Relatório da APREN indica que “até ao final de fevereiro a eletricidade de origem em fontes renováveis foi equivalente a perto de metade da produção elétrica de Portugal Continental. No mesmo período, o consumo elétrico registou um aumento de 5,4 %, em comparação com o mês homólogo de 2017”.

De acordo com o mais recente boletim da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), “até ao final de fevereiro a eletricidade de origem em fontes renováveis foi equivalente a perto de metade da produção elétrica de Portugal Continental. No mesmo período, o consumo elétrico registou um aumento de 5,4 %, em comparação com o mês homólogo de 2017. Adicionalmente, o preço do mercado ‘spot’ diário de eletricidade nos dois primeiros meses do ano foi de 53,2 €/MWh, um aumento face a meses anteriores, para o qual terá contribuído a maior percentagem de produção elétrica a carvão e gás natural”.

“As fontes de energias renováveis (FER) contribuíram com 49 % (4.574 GWh) da produção elétrica de Portugal Continental (9.321 GWh). Este é um registo baixo para a época do ano devido a condições adversas de produtibilidade hidroelétrica. De facto, o índice de produtibilidade hidroelétrica nos primeiros dois meses do ano foi de apenas 0,39. Por seu lado, o índice de eolicidade acumulado situou-se na média, 1,00. No ‘mix’ de produção do período em análise, o maior contributo proveio das centrais eólicas que pesaram 26,9 %”, salienta o relatório.

“Em fevereiro de 2018 verificou-se um equilíbrio entre as fontes fósseis e renováveis, no abastecimento das necessidades elétricas nacionais. No mês findo, é ainda de destacar um aumento do consumo elétrico nacional, em relação ao mês homólogo de 2017, de 5,4 % (1,6 % ao efetuar-se a correção dos dias úteis e da temperatura). Outro facto relevante foi a obtenção de um saldo importador de eletricidade de 40 GWh”, acrescenta.

Relacionadas

Lucro da EDP Renováveis dispara para 276 milhões em 2017

A eólica explicou que o resultado subiu 390%, suportado pelo aumento das receitas e pela descida das amortizações.
Recomendadas

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.
Comentários