“Enorme desilusão” para as empresas. CCP qualifica OE2019

Para a CCP, apesar dos benefícios fiscais ao investimento e à capitalização das empresas previstos no OE2019, “estes aspetos positivos são de interesse limitado e não são suficientes para compensar as medidas gravosas que continuam a penalizar as empresas”.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) considerou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) apresentada pelo Governo uma “enorme desilusão para o setor empresarial”.

Em comunicado, a CCP começa por referir que o fim do Pagamento Especial por Conta (PEC) previsto na proposta entregue na segunda-feira à noite no parlamento pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, era uma medida já assumida há dois anos na Concertação Social.

“Não se compreende, no entanto, por que não é pura e simplesmente extinto, em vez de obrigar as empresas a fazerem pedidos de dispensa”, critica a confederação presidida por João Vieira Lopes.

Para a CCP, apesar dos benefícios fiscais ao investimento e à capitalização das empresas previstos no OE2019, “estes aspetos positivos são de interesse limitado e não são suficientes para compensar as medidas gravosas que continuam a penalizar as empresas”.

Em causa, “o aumento das taxas de tributações autónomas, uma aberração fiscal que reincide ano após ano, e afeta agora de forma dura, com um aumento de 50%, as viaturas de serviço de menor valor, imprescindíveis nomeadamente ao funcionamento das empresas, em particular a maioria das de dimensão média e pequena”.

A confederação critica igualmente “o agravamento de 35% para 37,5% nas viaturas de custo médio”, considerando que o Governo “continua a penalizar as viaturas de trabalho e a desincentivar, inexplicavelmente, o uso de viaturas híbridas pelas empresas em termos das deduções de IVA no consumo de combustível”.

A CCP diz ainda que se verifica um aumento de vários impostos especiais, nomeadamente ao nível do crédito ao consumo.

“A carga fiscal sobre as empresas não baixou, o que é uma clara limitação à consolidação da economia e mesmo ao crescimento do emprego”, conclui a confederação.

Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB.

No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: Trabalhistas exigem demissão do Governo. Theresa May anuncia plano B

Theresa May disse no Parlamento que vai apresentar na próxima segunda-feira um plano B de saída do Reino Unido da União Europeia.

“O Brexit é um processo suicidário para a Grã-Bretanha e saída abrupta seria catastrófica”, considera Albuquerque

O governante considerou que a saída o Reino Unido é má para a Europa. O líder do executivo madeirense disse ainda que não tem perspetiva que esta saída aconteça em março sem que existam medidas cautelares que garantam o abastecimento da Grã-Bretanha.

Nobel da Economia diz que Bruxelas devia ter dado “algumas migalhas” ao Reino Unido

Paul Krugman criticou a posição da Comissão Europeia em 2016, antes do referendo sobre o Brexit ter tido lugar, onde a maioria dos votantes defendeu a saída do Reino Unido da União Europeia.
Comentários