“Enorme desilusão” para as empresas. CCP qualifica OE2019

Para a CCP, apesar dos benefícios fiscais ao investimento e à capitalização das empresas previstos no OE2019, “estes aspetos positivos são de interesse limitado e não são suficientes para compensar as medidas gravosas que continuam a penalizar as empresas”.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) considerou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) apresentada pelo Governo uma “enorme desilusão para o setor empresarial”.

Em comunicado, a CCP começa por referir que o fim do Pagamento Especial por Conta (PEC) previsto na proposta entregue na segunda-feira à noite no parlamento pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, era uma medida já assumida há dois anos na Concertação Social.

“Não se compreende, no entanto, por que não é pura e simplesmente extinto, em vez de obrigar as empresas a fazerem pedidos de dispensa”, critica a confederação presidida por João Vieira Lopes.

Para a CCP, apesar dos benefícios fiscais ao investimento e à capitalização das empresas previstos no OE2019, “estes aspetos positivos são de interesse limitado e não são suficientes para compensar as medidas gravosas que continuam a penalizar as empresas”.

Em causa, “o aumento das taxas de tributações autónomas, uma aberração fiscal que reincide ano após ano, e afeta agora de forma dura, com um aumento de 50%, as viaturas de serviço de menor valor, imprescindíveis nomeadamente ao funcionamento das empresas, em particular a maioria das de dimensão média e pequena”.

A confederação critica igualmente “o agravamento de 35% para 37,5% nas viaturas de custo médio”, considerando que o Governo “continua a penalizar as viaturas de trabalho e a desincentivar, inexplicavelmente, o uso de viaturas híbridas pelas empresas em termos das deduções de IVA no consumo de combustível”.

A CCP diz ainda que se verifica um aumento de vários impostos especiais, nomeadamente ao nível do crédito ao consumo.

“A carga fiscal sobre as empresas não baixou, o que é uma clara limitação à consolidação da economia e mesmo ao crescimento do emprego”, conclui a confederação.

Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB.

No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano.

Ler mais
Recomendadas

Igreja Anglicana propõe orações e chá para enfrentar incerteza do Brexit

Perante os últimos dias de incerteza que têm marcado o ‘Brexit’, a Igreja Anglicana no Reino Unido está a fazer uma proposta peculiar aos fiéis: beber uma chávena de chá e fazer uma “oração” pelo futuro do país.

May vai escrever a Tusk para pedir adiamento do Brexit

Secretário de Estado para o ‘Brexit’ admitiu ser “altamente provável e esperado que o Conselho Europeu peça um objetivo claro para qualquer extensão, sobretudo para determinar a sua duração”, sendo que a aprovação de uma extensão tem de ser por unanimidade.

Presidente do Parlamento britânico nega nova votação do ‘Brexit’ de Theresa May

John Bercow, que se tornou numa figura central no processo do Brexit, negou a May uma nova votação do tratado que a primeira-ministra negociou com Bruxelas.
Comentários