“Era o contrário de um líder populista. Teria sido Presidente da República”. Marcelo homenageia Sá Carneiro

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante um encontro com alunos do ensino secundário e os atores Pedro Almendra e Inês Castel-Branco, que protagonizam o filme “Snu”, sobre a história de amor entre o antigo primeiro-ministro e fundador do PSD Francisco Sá Carneiro e Snu Abecassis, realizado por Patrícia Serqueira, com estreia marcada para março.

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje que Francisco Sá Carneiro foi “o contrário de um líder populista” e que, se não tivesse morrido tão cedo, “teria provavelmente a chance de ser Presidente da República.”

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante um encontro com alunos do ensino secundário e os atores Pedro Almendra e Inês Castel-Branco, que protagonizam o filme “Snu”, sobre a história de amor entre o antigo primeiro-ministro e fundador do PSD Francisco Sá Carneiro e Snu Abecassis, realizado por Patrícia Serqueira, com estreia marcada para março.

Neste encontro, o chefe de Estado contou que, pouco antes de embarcar no avião Cessna que cairia sobre Camarate, em 04 de dezembro de 1980, Adelino Amaro da Costa lhe deu conta de que “o estado de espírito de Francisco Sá Carneiro”, caso Eanes fosse reeleito nas presidenciais de 07 de dezembro, “era sair de primeiro-ministro e ir para o parlamento fazer uma travessia do deserto”.

Essa conversa com o então ministro da Defesa aconteceu quando “estava a fechar o Expresso, porque na altura era diretor do Expresso”, referiu Marcelo Rebelo de Sousa, adiantando que Amaro da Costa lhe disse que “Francisco Sá Carneiro sai do Governo”, mas “a Aliança Democrática (AD) continua, com outro primeiro-ministro”.

Durante esta iniciativa, organizada pelo Instituto Francisco Sá Carneiro, no Palácio de Belém, em Lisboa, o Presidente da República questionou “o que seria Portugal se não tem havido Camarate”, acrescentando: “Ninguém sabe, mas há coisas que parecem óbvias”.

Quanto ao papel de Francisco Sá Carneiro na vida do país, defendeu que “parece muito difícil que ele não chegasse a primeiro-ministro” novamente, porque “teria tempo, era muito jovem” ainda, “e provavelmente, mais tarde, se o quisesse, Presidente da República”.

“Nunca deixaria de ser politicamente militante. Teria a chance de vir a ser primeiro-ministro, mais tarde ou mais cedo. Teria provavelmente a chance de ser Presidente da República, porque ele não iria nunca desarmar”, reforçou.

Nesta intervenção, que durou cerca de uma hora, Marcelo Rebelo de Sousa mencionou também perante jovens de três escolas secundárias que, “no dia em que ocorre Camarate”, Sá Carneiro “tem uma reunião onde está quem viria a personificar a seguir a ele a liderança do partido e duradouramente a liderança do país e depois a Presidência da República: Cavaco Silva”.

Nessa reunião, em que esteve também Amaro da Costa, foi debatido “o problema do financiamento das Forças Armadas no Orçamento do Estado para o ano seguinte, que era um ponto muito polémico e complicada”, com os chefes militares, precisou.

Ler mais
Relacionadas

Rio homenageia Sá Carneiro no Twitter “por convicção” e não “por conveniência”

O líder do PSD abriu uma conta na rede social Twitter e já partilhou dois vídeos, o último dos quais em homenagem a Francisco Sá Carneiro, referência histórica do partido. “É mesmo por convicção, não é por conveniência; por ser politicamente correto”.
Recomendadas

Marques Mendes garante que Paulo Rangel é o escolhido de Rui Rio para se candidatar às europeias

Para além dessa novidade, Marques Mendes comentou a mediática prisão de Armando Vara dizendo que “é apenas uma ponta do icebergue de uma rede muito poderosa que durante 20 anos, ou mais, existiu em Portugal”. O comentador aponta culpas à sua nomeação para a CGD e BCP, não apenas a Sócrates, mas a Vítor Constâncio, então Governador do Banco de Portugal.

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.
Comentários