Ericsson continua em queda massiva e anuncia perdas de 1,4 mil milhões de euros

A multinacional registou perdas na ordem dos 14,2 mil milhões de coroas suecas (cerca de 1,4 mil milhões de euros) e uma taxa de imposto não-monetária de quase 1 milhão de euros nos Estados Unidos.

A empresa de telecomunicações sueca Ericsson anunciou esta terça-feira uma nova quebra massiva, depois dos cálculos para verificação do valor recuperável (testes de ‘impairment’). A multinacional registou perdas na ordem dos 14,2 mil milhões de coroas suecas (cerca de 1,4 mil milhões de euros) e uma taxa de imposto não-monetária de quase 1 milhão de euros nos Estados Unidos.

A forte quebra resultou de amortizações de investimentos anteriores que a empresa não tinha conseguido pagar no prazo estabelecido. Até março do ano passado, a fabricante de tecnologia tinha assumido cerca de 12 mil milhões de euros em dívidas por liquidar.

“Os ajustes não influenciam o compromisso da Ericsson em executar as suas estratégias e investir em tecnologia para atender às necessidades dos clientes”, sublinha a marca, em comunicado.

A marca sofreu uma quebra drástica nos últimos anos, que levou a reduções de custos e cortes de postos de trabalho, tendo obrigado à demissão do então CEO da empresa, Hans Vestberg em 2016. A Ericsson tem tido ainda grandes dificuldades em superar a concorrência crescente da marca chinesa Huawei e da revitalizada empresa de telecomunicações finlandesa Nokia.

Recomendadas

A importância do “jornalismo lento” como impulsionador do “pensamento crítico sobre o que nos rodeia”

Quiosque Manifesto organiza palestra sobre o “jornalismo lento”, com um dos editores da revista “Delayed Gratification”, precursora desse conceito. A coordenadora Inês Catarina Pinto refuta a “morte do papel”, diz que “estamos a viver uma época de ouro das publicações independentes” e enaltece a “valorização da informação como conhecimento”.

Luz Saúde aumenta lucros para 9,4 milhões de euros

O grupo manteve a sua trajetória de crescimento orgânico combinado com a expansão geográfica da rede de cuidados privados.

Amorim/Vanguard sozinho no concurso para a venda da Comporta

‘And then there was one’. O grupo Amorim e a Vanguard Properties de Claude Berda ficaram sozinhos no concurso organizado pela Deloitte. Mas ainda tem de passar na Assembleia de Participantes.
Comentários