Escolas criam ‘apps’ para construir um mundo melhor

Desde guias de cores para daltónicos até à descoberta de empresas que limpam terrenos florestais e agrícolas, a criatividade de jovens e crianças é infindável.

Alguma vez pensou como seria o mundo reduzido a cinzentos? Pobre, seguramente, pelo menos no que toca à diversidade de cores.

A Apps for Good (Aplicações para o bem) é um concurso que abre janelas para o mundo em busca de soluções para problemas sociais tão simples – e complexos – como este. E assim nasceu a “Colour You”, criada por cinco alunos do ensino secundário do Instituto dos Pupilos do Exército. Uma aplicação cujo objetivo é ajudar quem não consegue identificar cores e que inclui um guia das cores mais problemáticas para os daltónicos e um identificador de cores através da câmara do telemóvel.

Arrebatou o primeiro lugar na edição de 2019 do concurso Apps for Good (Aplicações para o bem), um programa educativo tecnológico que desafia alunos e professores a desenvolverem aplicações para resolver problemas sociais em smartphones ou tablets.

Na 5ª edição foram atribuídos dez prémios a alunos do ensino básico e secundário. Entre os distinguidos, destaque para dois grupos de alunos do Agrupamento de Escolas Padrão da Régua e da Secundária Delfim Leite. Os primeiros conceberam a “Coursly”, solução para ajudar a escolher o curso superior, incluindo simuladores de médias e testes vocacionais. Enquanto o segundo grupo de alunos construiu a “Polumap”, que permite identificar os locais onde existe poluição.

Na categoria do ensino básico, o primeiro prémio foi para a app “Must Be Green”, criada por um grupo de alunos da escola Básica e Secundária do Levante da Maia, que permite descobrir, através do código postal e do distrito, empresas que limpam terrenos florestais e agrícolas, conversar com os respetivos responsáveis e pedir orçamentos.

O segundo prémio foi entregue ao projeto “Rescue Pet”, que consiste num guia para quem encontrar animais abandonados, e foi criado por alunos do Agrupamento de Escolas de Sabóia. O terceiro lugar, juntamente com o prémio do público, foi atribuído a um grupo de alunos do Externato da Apresentação de Maria, pela sua criação “SOS Adolescência”. Esta app oferece dicas e soluções para ajudar os adolescentes a lidar com problemas como o bullying.

Os dez vencedores foram selecionados entre 22 projetos que disputaram a finalíssima na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Ler mais
Recomendadas

Pandemia faz disparar despesa dos politécnicos. Défice estimado de 10 milhões este ano

O número resulta de um levantamento feito pelo Conselho Coordenador, concluído a 30 de junho, e já está na posse do ministro Manuel Heitor, revelou esta sexta-feira, no Parlamento, Pedro Dominguinhos, presidente do CCISP.

Próximo ano letivo vai ter mais tempo de aulas e menos férias, anuncia Governo

“Aumentamos o número de dias de aulas do próximo ano, encurtando, por um lado, a pausa letiva da Páscoa e prolongando a duração do ano letivo para os anos de escolaridade que não estão sujeitos a exame”, explicou.

Fenprof exige distribuição de manuais novos no próximo ano letivo

A Assembleia da República aprovou esta terça-feira uma proposta do CDS/PP que suspende a devolução dos manuais escolares. PS votou contra. As confederações de pais aplaudiram a suspensão.
Comentários